'Faz uma semana que meu prédio entrou em esquema de rodízio'

Condomínio na zona oeste de SP recebe água apenas duas horas por dia: uma de manhã e outra à noite; torneiras estão secas

O Estado de S.Paulo

18 Maio 2014 | 02h03

"Primeiro veio o aviso: 'Caros condôminos, nosso abastecimento está irregular, precisamos economizar água. Quem for pego lavando janela ou sacada será multado'. No dia seguinte, torneiras secas. Todas: banheiros, cozinha, lavanderia. Nada no chuveiro. Poeira.

Liga para o porteiro: 'A água só vai voltar à noite, senhora'. Como? 'Sim, só à noite e durante uma horinha só, melhor aproveitar'. Mas aproveitar como, se eu fico fora de casa o dia inteiro?

Não imaginei que teria esse diálogo surreal com o meu porteiro tão rápido. Ontem fez uma semana que o meu prédio entrou em esquema de rodízio. Só recebemos água duas horas por dia: uma de manhã e outra à noite. Não moro em bairro alto nem distante do centro, como os mostrados na reportagem que acompanha este depoimento - são 11 km da minha casa, na zona oeste de São Paulo, até a Praça da Sé.

Mesmo assim, as torneiras do condomínio, onde moram cerca de 1 mil pessoas, estão secas. Os banhos, antes de manhã, agora são de madrugada, quando chego do trabalho e, com sorte, pego a caixa ainda abastecida (deu certo até agora). Lavar o rosto? Água termal. Escovar os dentes? Mineral. E dá-lhe xampu seco (uma boa e relativamente desconhecida invenção da indústria cosmética) no cabelo. Ainda não pensei como vou fazer com a roupa suja. Lavar de madrugada? Na lavanderia? A ver.

Não, não estou armazenando água nem penso em fazer isso, por não ter espaço em casa e não achar que vá resolver o problema. E ainda tem a multa. A conta de água não é individualizada. Por isso, se o condomínio como um todo não economizar, ainda vamos ser penalizados. Os vizinhos não estão muito felizes...

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) nega o racionamento e diz que, "por causa de manobras técnicas operacionais para a transferência de vazões dos Sistemas Guarapiranga e Alto Tietê para atendimento de alguns bairros, atualmente abastecidos pelo Sistema Cantareira, podem ocorrer eventuais momentos de desabastecimento, especialmente nos pontos altos". Justificativa parecida foi dada para outras pessoas que moram em regiões diferentes da cidade.

E não há previsão de que essa situação vá mudar tão cedo, nem mesmo com o uso do "volume morto" - iniciado na quinta -, previsto para chegar às torneiras de 8 milhões de consumidores a partir de hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.