'Favelas são as áreas mais interessantes da cidade'

Até o fim de 2013, Paraisópolis inaugura a Escola de Música Grotão - sede da Orquestra Filarmônica. Serão R$ 9,5 milhões investidos pela Prefeitura. De autoria dos arquitetos Alfredo Brillenbourg, americano, e Hubert Klumpner, austríaco - do escritório Urban-Think Tank -, o projeto venceu o prêmio Prata do Global Holcim Awards, um reconhecimento mundial de sustentabilidade. A premiação ocorre hoje na favela. Brillenbourg comemora e fala ao Estado:

Entrevista com

EDISON VEIGA, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2012 | 03h07

Qual é a importância de ter o projeto premiado?

Ficamos muito honrados. Trabalhar com um inspirado time de designers brasileiros e com a Secretaria Municipal de Habitação tem sido gratificante. Começamos a pesquisar Paraisópolis há seis anos. A ideia para este projeto veio quando observamos e discutimos com moradores sobre a necessidade de mais espaços culturais.

Quão importante é ter projeto em um local como Paraisópolis?

Há mais de uma década fazemos projetos em favelas de Caracas, e aprendemos que essas são as áreas mais interessantes da cidade. Obviamente, existem complicadas questões associadas a favelas: a redução da pobreza, a construção de habitações sociais, a redução da violência e a infraestrutura.

O que o senhor pensa sobre o urbanismo paulistano?

A pressão que existiu para a disponibilidade de mais terras para uma população crescente resultou em rituais de caos. A tipologia das vias urbanas e do próprio carro como meio de transporte pessoal atingiram uma extremidade finita para o desenvolvimento mais abrangente. A demanda das cidades, em termos de volume de transporte, cresce e muda mais rapidamente do que as soluções.

As características desse projeto tentam reduzir a segregação?

Embora o projeto seja em Paraisópolis, acreditamos que por a escola de música ter um teatro, onde a orquestra e a companhia de balé da favela serão alojadas, poderá atrair, sim, pessoas de toda a cidade.

O senhor acredita no potencial transformador desse projeto?

Assim como comida, água, educação e saúde são direitos humanos fundamentais, também o são o acesso à moradia adequada, ao espaço público, à cultura, à mobilidade e à infraestrutura. No entanto, esses direitos são frequentemente negados ou negligenciados e, portanto, como designers e arquitetos urbanos, sentimos que temos a obrigação de conceber e ajudar a construir soluções.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.