Favela do Moinho, no centro de São Paulo, faz Copa 'política'

Comitê Popular da Copa planejou atividades com críticas aos organizadores do Mundial

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2014 | 16h16

SÃO PAULO - Na favela do Moinho, em Campos Elíseos, na região central de São Paulo, vai ter Copa do Mundo. Mas a transmissão será com engajamento político e críticas aos organizadores da competição com uma temática de festa junina. Um boneco do ex-jogador Ronaldo será malhado como Judas e a boca do narrador Galvão Bueno vai ser a meta do tiro ao alvo na brincadeira 'cala a boca, Galvão'. A ação foi organizada pelo coletivo Comitê Popular da Copa. 

"A Fifa excluiu algumas regiões da cidade assim como a favela do Moinho foi excluída e privada de acesso a água, saúde, entre outras coisas", explicou a ativista Priscilla Cavalieri, 26 anos. Mesmo assim, no Moinho vai ter Copa. 

Enquanto os ativistas preparavam a transmissão engajada, moradores da favela organizavam um salão com telão para a hora do jogo. Alguns moradores estavam alheios ao que o coletivo organizava para a hora do jogo. É o casa do ambulante Denivo Conceição Castão, 28 anos. Ele havia acabado de almoçar e aguardava o início da partida tomando cerveja. "Moro aqui há quatro anos, vi essa favela pegar fogo duas vezes mas acho que vivo com dignidade. Hoje eu quero fazer festa, me divertir um pouco e aproveitar o feriado com a minha família", afirmou.

Natural da Bahia, onde diz ter passado necessidade, Castão afirma que hoje, vendendo milho nas ruas de São Paulo, consegui prosperar na vida. "Minha cerveja está gelada porque consegui comprar uma geladeira, consigo ajudar a minha mãe e tenho um canto para dormir. Valorizo isso, mesmo que seja em um barraco de pau", afirmou o ambulante. Ele ainda disse que após a Copa do Mundo, ninguém mais dará atenção aos excluídos. 

O Comitê Popular da Copa entende que o futebol é parte importante da cultura nacional. "O problema é como a Copa foi organizada e o dinheiro que foi gasto com isso", disse Priscilla.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.