Reuters
Reuters

'Faremos o possível para não ter greve', diz Alckmin sobre Metrô

Os trens do Metrô e da CPTM podem parar por um dia na próxima quarta-feira, 27, após decisão em assembleia dos sindicatos

Luiz Fernando Toledo , O Estado de S. Paulo

21 de maio de 2015 | 14h41


SÃO PAULO - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quinta-feira, 21, que negocia para evitar uma paralisação dos funcionários do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). "A greve só prejudica a população e quem mais precisa para trabalhar. Faremos o possível para não ter greve", disse Alckmin. Os trens das duas companhias podem parar por um dia na próxima quarta-feira, 27, após decisão em assembleia dos sindicatos. Eles ainda não decidiram se haverá greve.

Alckmin afirmou que a categoria teve reajuste real nos últimos quatro anos e que a média salarial da categoria é de R$ 5.237. "O Metrô e a CPTM estão permanentemente negociando e já fizeram uma oferta em relação à reposição inflacionária", disse. 

O governador garantiu que haverá transporte mesmo com uma eventual paralisação. "Já foi determinado pela Justiça que no horário de pico tem de garantir 100% e fora (do horário de pico), 70% da frota." 

Os ferroviários pleiteiam reajuste de 7,89% para cobrir a inflação e outros 10% de aumento real. A CPTM ofereceu 6,65%. "O Estado já está negociando. Todo mundo sabe da dificuldade fiscal hoje no Brasil inteiro", disse Alckmin.

Tudo o que sabemos sobre:
MetrôCPTMGeraldo Alckmin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.