Famílias precisam de itens de higiene Bombeiros encontram 2ª vítima de incêndio

Corpo foi achado no segundo andar do prédio abandonado destruído pelo fogo na Favela do Moinho; 96 pessoas foram levadas para abrigo

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2011 | 03h04

Um dia após o incêndio na Favela do Moinho, nos Campos Elísios, região central de São Paulo, os bombeiros encontraram ontem o segundo corpo carbonizado na área atingida e encerraram os trabalhos de rescaldo. As vítimas ainda não foram identificadas.

Durante a varredura, os bombeiros encontraram o cadáver no segundo pavimento do prédio abandonado no terreno. Segundo o capitão Alexandre Reche, chefe do setor de operações metropolitanas, o trabalho foi minucioso e não há a possibilidade de outros corpos terem ficado no local. "Usamos cães e, onde isso não foi possível, reviramos de todas as formas."

A Defesa Civil cadastrou até ontem 430 famílias - cerca de 1.760 pessoas - para o recebimento de ajuda emergencial. A Secretaria Municipal da Habitação também fez o registro dos moradores para a inclusão em programas de moradia.

O abrigo instalado no Clube Escola Anhanguera atraiu apenas 96 pessoas. "Preferia ter uma casa, mas dormir aqui é melhor do que ficar na rua", afirmou a doméstica Rosana Souza Fernandes, de 29 anos, com quatro filhos, entre 5 e 10 anos. Parte dos moradores tem medo de deixar a favela e não conseguir retornar depois.

A circulação dos trens nas Linhas 7-Rubi e 8-Diamante da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), entre a Barra Funda e as Estações Júlio Prestes e Luz, respectivamente, permanece interrompida. Funcionários trabalhavam na substituição de dormentes e cabos, mas o risco de desabamento do prédio consumido pelo fogo impede o tráfego das composições.

A população tem colaborado com roupas e alimentos, mas ainda são necessários, principalmente, produtos de higiene pessoal. As doações podem ser levadas até a Aliança de Misericórdia, na Alameda Eduardo Prado, 108, ou na Cristolândia, na Alameda Barão de Piracicaba, 509, ambas nos Campos Elísios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.