Famílias ''migram'' da capital para o ABC

Em busca de menos fiscalização e melhor renda, grupos aproveitam ligação via trólebus

Bruno Paes Manso, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2011 | 00h00

No centro da capital, a polícia "fica mais em cima" e "pega os rodinhos" usados para lavar os vidros dos carros. As esquinas também são mais disputadas e a população é menos afeita a dar dinheiro. Por esses motivos, Ronaldo Adriano, de 27 anos, e a mulher, Adriana Rodrigo, de 34, passaram a ir com o filho M., de 7 anos, de São Mateus para Santo André.

Outros jovens da zona leste da capital buscam as ruas do ABC, aproveitando a linha de trólebus intermunicipal, em que vão pendurados do lado de fora. O trânsito permanente é típico dos que estão na rua. Adriana tem mais dois filhos e está grávida do quarto. Eles ganham R$ 80 por semana. Adriana recebia R$ 90 mensais com o renda mínima, mas perdeu porque o filho de 14 deixou a escola.

Veja também:

link Ex-menino de rua vê melhora em 20 anos

link Grandes cidades têm 23.973 crianças de rua; 63% vão parar lá por brigas em casa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.