Familiares das vítimas do vôo 3054 fazem manifestação

Muitos deles choram, emocionados pela lembrança de seus entes queridos mortos há um mês

Anne Warth, da Agência Estado,

17 de agosto de 2007 | 18h18

Familiares das vítimas do vôo 3054 da TAM caminham em direção ao local onde ficava o prédio da TAM Express, nas imediações do aeroporto de Congonhas. Eles pretendem deixar flores no local para homenagear as 199 vitimas, que morreram há exatamente um mês. Às 17h35, eles chegaram ao aeroporto, formaram um círculo na área do check-in da companhia, fizeram um minuto de silêncio às 17h43 e, em seguida, rezaram por seus familiares.   Muitos deles choram, emocionados, pela lembrança de seus entes queridos. "Na ocasião do acidente da Gol, quando 154 pessoas morreram, eu assisti a todas as notícias, fiquei comovida, mas não fiz nada. Precisamos fazer alguma coisa neste País", disse, bastante emocionada, Cristine Vita, esposa de Anderson Luiz Cassel, que era um dos passageiros do vôo.   Roberto Gomes, irmão de Mário Gomes, que também morreu no acidente, ressaltou que o movimento não tem qualquer caráter político. "É um ato em homenagem aos nossos familiares", afirmou.   Eles caminham carregando faixas com os dizeres: "199 mortos. Quantas vítimas? Vôo TAM JJ 3054". Eles vestem camisas brancas, com os mesmos dizeres, escritos em preto, e levam fotos de seus familiares mortos há um mês.

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreavôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.