Família teve oito vítimas: 'Quando vi, tudo havia caído'

Entre as vítimas do acidente de ontem estão oito pessoas da mesma família, que vieram de ônibus do Maranhão no dia 11. Eram pedreiros que estão em um alojamento fornecido pela Salvatta Engenharia, a poucos metros do prédio que desabou.

Luciano Bottini Filho, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2013 | 02h02

Até as 21h, o grupo de maranhenses não sabia o paradeiro de dois parentes. "Nós estávamos varrendo e limpando a obra. Eu estava sozinho na laje da vizinha. Quando vi, tudo havia caído", diz Gilberto Manuel Lopes da Silva, de 21 anos, que ficou por alguns minutos preso, mas conseguiu sair sozinho. Ontem, no 49.º DP (São Mateus), ele tentava obter notícias dos dois primos desaparecidos.

Primo de Lopes, Antonio Warlisson de Souza, de 22 anos, também estava preocupado. Ele procurava notícias do irmão, Antonio Wellington de Souza, de 20 anos. Outro desaparecido era seu primo Ribamar. A lista de mortos no desabamento não havia sido divulgada até as 21 horas de ontem.

Os dois maranhenses prestaram depoimento à policia. Eles trocaram de roupa em uma unidade da Polícia Militar e depois voltaram para o alojamento, onde iriam passar a noite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.