Família procura clínica particular após ir a Cratod

Usuário de crack, o soldador Arildo José da Silva, de 41 anos, foi ao Cratod na terça-feira pedir atendimento médico. "Preciso ficar internado, senão não vai dar certo." Os médicos que avaliaram Arildo, entretanto, disseram que não havia indicação para internação, segundo a Secretaria da Saúde do Estado.

O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2013 | 02h05

Inconformada com a negativa da internação, a família de Arildo resolveu juntar dinheiro para interná-lo em uma clínica particular ontem à tarde.

"Não vou deixar meu cunhado morrer sem dar um auxílio pra ele", disse o assessor de cobrança João Lamego Gusmão Filho, de 42 anos, casado com a irmã de Arildo. Gusmão diz que teve de esperar seis horas para conseguir ser atendido no Cratod. "Isso é uma brincadeira." / T.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.