Família é libertada de cativeiro em Guarulhos

Quadrilha planejava ganhar R$ 1 milhão com sequestro de seis pessoas do ramo de confecções

Ricardo Valota, do estadao.com.br

24 de outubro de 2009 | 04h24

Uma família de comerciantes que atuam no ramo de confecções no bairro paulistano do Bom Retiro, foi mantida refém durante quatro dias em um cativeiro montado na Favela Hatsuda, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

 

A fim de negociar com parentes o pagamento de R$ 1 milhão, uma das vítimas foi liberada pelos bandidos no mesmo dia do sequestro.

 

No entanto, o cativeiro, dentro da favela, na Avenida Monteiro Lobato, no bairro Macedo, só foi estourado às 20h30 da sexta-feira, 23, a partir de uma denúncia anônima. No local, os policiais militares do 15º Batalhão encontraram cinco pessoas amarradas em um mesmo cômodo.

 

Nenhum sequestrador foi preso. Mantidos como reféns estavam o comerciante Cícero Rodrigues Pereira, de 30 anos, a sogra, de 50 anos, e três cunhados. O esposa dele, Ana Cleide Julião Rodrigues, foi a pessoa escolhida pelos criminosos para tentar negociar o valor exigido para o resgate das vítimas.

 

O sequestro, segundo a polícia, ocorreu na última terça-feira, 20, quando as vítimas estavam reunidas na casa da sogra do comerciante, no bairro dos Pimentas, em Guarulhos. Armados com revólveres, dois bandidos invadiram a residência e dominaram toda a família.

 

Fome
 

Como as vítimas estavam com muita fome no momento em que foram libertadas, os policiais militares encaminharam todos primeiramente para a sede do 15º Batalhão, onde pizzas foram compradas para a família sequestrada. O desfecho do sequestro foi apresentado na sede do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos(Garra).

Tudo o que sabemos sobre:
GuarulhossequestroBom Retiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.