Família de estudante morta no Hopi Hari aceita acordo

Indenização pedida era de R$ 4,6 milhões, mas valor acertado não foi divulgado; parque aguarda análise para reabrir brinquedo

RICARDO BRANDT / CAMPINAS, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2013 | 02h04

A família da jovem Gabriella Nichimura, de 14 anos, que morreu após cair do brinquedo La Tour Eiffel, no Hopi Hari, em fevereiro de 2012, aceitou o acordo proposto pelo parque na ação de indenização que era movida na Justiça. A informação foi confirmada ontem pelo advogado da família, Ademar Gomes, que não revelou o valor aceito.

A família pedia R$ 4,6 milhões por danos morais e dois salários mínimos para cada um dos pais, retroativo à data do acidente, 24 de fevereiro de 2012, até o dia em que Gabriella completaria 25 anos (em 2022), por danos materiais.

O acordo foi homologado na sexta-feira, mas era negociado desde outubro. "Eu não podia divulgar antes", afirmou o advogado, que afirmou que há uma cláusula de confidencialidade sobre os termos do acordo. "Esse acordo também não interfere na ação criminal."

Na 1ª Vara de Vinhedo, 12 pessoas, entre elas o presidente do parque, Armando Pereira Filho, são acusados pela morte da menina. Segundo o Ministério Público, "uma sucessão de erros" permitiu que a estudante fosse morta. Gabriella caiu de uma altura de 25 metros, depois que a trava da cadeira ocupada por ela no brinquedo abriu. Posteriormente, descobriu-se que a cadeira estava desativada havia anos.

Brinquedo. O Hopi Hari informou, em nota, que aguarda a aprovação e a certificação de um novo sistema de segurança para reabrir o equipamento La Tour Eiffel.

"Sobre a atração La Tour Eiffel, fora de operação desde o ocorrido, o Hopi Hari solicitou o desenvolvimento de um sistema adicional de segurança, que já foi apresentado pelo fabricante para aprovação e certificação. A reabertura da atração ocorrerá quando, além do sistema de segurança já existente e utilizado mundialmente, este novo sistema estiver aprovado e implementado", informou o parque por meio de nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.