Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Família de ciclista morto culpa Estado

Advogado de parentes de vítima de acidente com filho de Eike Batista quer responsabilizar governo por não computar infrações de Thor na CNH

ANTONIO PITA / RIO, O Estado de S.Paulo

21 Março 2012 | 03h04

Com a confirmação de que a habilitação de Thor Batista, de 20 anos, tinha 51 pontos em infrações, o Estado do Rio de Janeiro também pode ser responsabilizado pelo atropelamento e morte do ciclista Wanderson Pereira da Silva, de 30, no sábado, na Baixada Fluminense. A interpretação é do advogado da família da vítima, Cleber Carvalho.

Segundo ele, "se for comprovado que existiam as multas e infrações que não foram computadas pelo Detran, então o governo também é culpado". De acordo com o histórico de sua Carteira Nacional de Habilitação, nos últimos 18 meses Thor Batista recebeu 11 multas - 5 por excesso de velocidade.

Pelo Código de Trânsito Brasileiro, o condutor que tiver mais de 20 pontos deve ter a habilitação suspensa. A punição não teria acontecido com o filho do empresário Eike Batista porque as pontuações não foram computadas pelo Detran no prazo previsto na lei.

Em nota, o Detran informou que não pode divulgar informações sobre os condutores e suas infrações por exigência legal. O órgão informou também que as sanções e suspensões de habilitação só podem acontecer após os motoristas apresentarem sua defesa em três instâncias. "O Detran só pode punir condutores cujas infrações tenham transitado em julgado."

Após a revelação do histórico de multas, na noite de segunda-feira, Eike disse que o filho não sabia das infrações e da sua pontuação. Pelo Twitter, o empresário perguntou aos internautas se ninguém "nunca andou a 72 km/h onde só se pode andar a 60 km/h?" Ele afirmou ainda que "provavelmente" também está com a carteira vencida. "Como saber se você não é informado?"

Hoje, Thor presta depoimento na Delegacia de Xerém, na Baixada Fluminense. Na madrugada de segunda-feira, o jovem publicou no Twitter fotos dos ferimentos que sofreu no acidente e disse estar abalado com a situação. "Minha mãe (a ex-modelo Luma de Oliveira) e eu estamos rezando pelo bem da família do Wanderson. Que Deus os proteja. Adoraria dar um abraço na Vicentina (mãe de criação da vítima)."

Segundo relato de Thor publicado na internet, o ciclista teria cruzado as duas pistas da Rodovia Washington Luís e foi atingido lateralmente pelo Mercedes que o jovem dirigia. Thor também afirmou que estava dentro da velocidade permitida e que isso poderia ser comprovado pelo fato de o sistema de airbag não ter sido acionado.

A versão é contestada pelo especialista em perícia automotiva Márcio Montesani. Segundo ele, a velocidade não tem relação com o sistema de segurança dos carros. "O que ocasiona a abertura dos airbags é a desaceleração diante de um forte impacto. Como a bicicleta é leve e desliza sobre o carro, dificilmente o sistema seria acionado."

Na manhã de ontem, nova perícia foi realizada no Mercedes, na casa de Eike Batista, dono do carro, onde o veículo está desde a noite do acidente. Cleber Carvalho disse que o carro deveria estar sob custódia da polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.