Família de brasileiros é achada morta nos EUA

Casal e filha de 10 anos estavam dentro de carro na garagem de casa em Orlando; polícia suspeita de duplo homicídio seguido de suicídio

O Estado de S.Paulo

12 Dezembro 2013 | 02h02

Uma família brasileira foi encontrada morta dentro de um carro na garagem de casa em Lake Nona, em Orlando, nos Estados Unidos. A polícia trabalha com a hipótese de que Márcio Luiz Ferraz do Amaral, de 45 anos, sua mulher, Cledione Regina Ruppenthal Ferraz do Amaral, de 34, e a filha do casal, Wendy Ferraz do Amaral, de 10, estivessem mortos havia mais de três semanas, pelo estado de decomposição dos corpos.

A família que morava na Flórida havia 5 anos e não tinha voltado ao Brasil desde então foi encontrada por um dos proprietários da casa alugada que eles moravam desde 2009, em um condomínio de luxo.

Gerald Mastro teria ido cobrar o valor de aluguéis atrasados e, ao tocar a campainha, reparou um cheiro forte que vinha de dentro da residência. Sem receber resposta dos chamados, o proprietário teria ligado para a polícia, que encontrou os corpos.

Como não encontraram qualquer sinal de arrombamento na casa, a polícia praticamente descartou a hipótese de um triplo homicídio. "Eles sempre foram muito bons. Sem problemas", disse Mastro, ao jornal americano Orlando Sentinel. "Quando vínhamos à Flórida, sempre os visitávamos", afirmou ele, que reside em Chicago.

Segundo Mastro, nos últimos anos, Amaral e Cledione haviam sido bons inquilinos e pagaram sempre dentro do prazo. A situação começou a mudar em outubro.

Mastro entrou em contato com o casal no início de novembro. Ele trocou e-mails com Cledione, que se desculpou pelo aluguel vencido. Ela prometeu pagar o mais rápido possível, mas não teria cumprido a promessa. Quando eles morreram, havia três meses de aluguéis atrasados.

Desemprego. Amaral estava desempregado havia alguns meses. Uma das hipóteses levantadas pela polícia é de um duplo assassinato seguido de suicídio, provocado pelo fato de ele não conseguir mais sustentar a família. O salário de Cledione em um parque da Disney, em Orlando, não seria suficiente para cobrir os gastos.

Os dois teriam se conhecido na TAM, onde Amaral trabalhou como piloto e Cledione como comissária, antes de se mudarem para os Estados Unidos. A TAM confirmou que Amaral fez parte da equipe de pilotos da companhia e se desligou há mais de cinco anos, mas não conseguiu informar se Cledione trabalhou na empresa.

Itamaraty. As mortes foram confirmadas pelo Itamaraty, mas o Ministério das Relações Exteriores não revela detalhes das investigações. Os parentes dos mortos, que moram em Formosa, interior de Goiás, procuraram o Itamaraty para pedir apoio. O órgão afirma que acionou o consulado brasileiro em Miami, que está acompanhando o caso e servindo de intermediário entre os parentes dos mortos e as autoridades policias americanas.

A polícia do Condado de Orange aguarda a identificação oficial dos corpos para liberá-los. A responsabilidade do translado ao Brasil, de acordo com o Itamaraty, é da família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.