Faltam técnicos e investimento em manutenção, diz botânico

Falta de manutenção, envelhecimento ou mesmo envenenamento intencional. As causas das quedas de árvores variam, mas muitos acidentes poderiam ser evitados caso fossem tomadas medidas simples. É o que diz o botânico Ricardo Cardim. "Deveria haver um investimento maior na manutenção das árvores da cidade, com um número adequado de técnicos, que pudessem mantê-las com saúde."

O Estado de S.Paulo

25 Março 2012 | 03h03

Segundo ele, as plantas mais velhas são as que mais precisam de cuidado. Jardins, Pacaembu e Alto da Lapa têm árvores com 70 anos. "As mais antigas são as que fazem mais bem para o meio ambiente, mas é natural que fiquem mais doentes, mais debilitadas, como qualquer ser vivo." Em algumas ocasiões, o erro acontece na poda, que é muito radical. "Quando é feito um corte muito grande em um galho, a árvore não consegue cicatrizar e fica cheia de cupins."

O botânico diz ainda que é muito comum que pessoas queiram se livrar das árvores por meio de envenenamento, que é crime ambiental. Eles fazem furos na planta e inserem líquidos tóxicos. "É um jeito de o cidadão que é egoísta matar a árvore veladamente, porque quer cimentar a calçada, porque acha que vai ficar mais bonito, porque cai folha", afirma Cardim. / A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.