Faltam placas de limite de velocidade em vias locais

Quando questionados sobre máxima permitida no Itaim, por exemplo, motoristas e até agente da CET se confundiram

Fabiano Nunes, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2011 | 00h00

JORNAL DA TARDE

Nas últimas semanas, uma série de acidentes com mortes chamou a atenção para os limites de velocidade nas ruas de São Paulo. Mas algumas não têm placas mostrando quais são eles. Para especialistas em trânsito, apesar de não ser necessário espalhar placas por toda cidade, campanhas de respeito aos limites são bem vindas.

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, a velocidade máxima permitida para a via será indicada por sinalização. Onde ela não existe é preciso seguir a velocidade máxima de vias arteriais, coletoras e locais, que vão de 30 km/h a 60 km/h. Mas muitos se confundem ao não ver a sinalização. Motoristas que trafegam na região do Itaim-Bibi não sabiam qual era o limite de velocidade ali. "Aqui é 50 km/h. Mas à noite muitos carros importados passam em velocidade bem maior", contou o taxista Francisco Antoniol, de 50 anos, que trabalha na Bandeira Paulista. A gerente comercial Ana Paula Junqueira, de 34, acredita que o limite da via é de 60 km/h. "Se colocassem placas com limite de velocidade talvez intimidasse um pouco os motoristas que correm. Sem placa é um fator para que as pessoas abusem." O limite nessas duas vias, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), é de 40 km/h. Nenhum motorista consultado soube informá-lo.

Mas a confusão não é só de motoristas. Uma agente da CET que estava na Bandeira Paulista não soube dizer a velocidade máxima no local. "Não sei qual é o limite. Sou nova, estou aqui há dois dias e não posso aplicar multa de velocidade", disse.

Veja também:

linkNa 1ª semana, 30 são multados por hora por invadir faixa de pedestres

linkAtropelador de professora alega fatalidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.