Faltam caixas e envelopes

PEDESTRE NÃO TEM VEZ

, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2010 | 00h00

Travessias perigosas

No dia 20/7, a coluna São Paulo Reclama publicou a carta da leitora sra. Patrícia Marchesoni Quilici em que ela relata o perigo para se atravessar a Avenida Europa na esquina com a Rua Alemanha e a falta de farol para pedestres. Ao ler a resposta da CET, constata-se que só o fluxo de carros é considerado por essa empresa. Já escrevi sobre as dificuldades que uma pessoa tem para se locomover a pé pela cidade e sempre recebo a mesma resposta, que evidencia o desprezo das autoridades pelos pedestres. É uma aventura tentar atravessar uma rua, mesmo num local próximo ao semáforo. Os motoristas são incentivados a agir com agressividade pelas autoridades de trânsito, que não multam quem não respeita a faixa dos pedestres. Convido a pessoa que respondeu pela CET a passear a pé pelos Jardins - nem estou falando de bairros da periferia ou de marginais e grandes avenidas.

MARIA TEREZA MURRAY / SÃO PAULO

A resposta da CET à sra. Patrícia é um exemplo da desconsideração com o pedestre. É claro que existem soluções. A companhia deveria fazer um controle rigoroso e punir os motoristas que não respeitam as faixas e o farol de pedestres. Por que a CET não os fotografa quando cometem esse tipo de infração, como faz com quem ultrapassa o sinal vermelho ou usa o carro em horário do rodízio? Por que não faz uma campanha para educá-los? Por que não os multam? Em São Paulo, diferentemente de qualquer outra cidade civilizada, o pedestre é considerado um cidadão de segunda categoria. Tudo é voltado para "sua majestade", o automóvel. Gosto muito de andar a pé e há trechos dificílimos de se atravessar. Por exemplo, o farol da Avenida Juscelino Kubitschek com a Rua Bandeira Paulista. O sinal é mal planejado e não é possível atravessar a avenida de uma só vez. A segunda metade da travessia oferece um tempo tão curto que uma pessoa idosa ou uma mãe com um carrinho não têm a menor chance de percorrer o trecho sem correr risco de ser atropelada.

SONIA KNOPF / SÃO PAULO

IRREGULARIDADES

Lixo nas calçadas

As calçadas da Rua Visconde de Porto Seguro, entre as Ruas Vigário João de Pontes e Joaquim José Esteves, no Alto da Boa Vista, Santo Amaro, viraram um verdadeiro depósito de lixo. Espero providências.

URSULA HAUPT / SÃO PAULO

A Assessoria de Imprensa da Subprefeitura Santo Amaro informa que no dia 15/7 uma equipe da Subprefeitura esteve no local citado e realizou os serviços de limpeza. Acrescenta ser necessário que a população contribua com a Prefeitura, descartando lixo de maneira regular e respeitando os horários de coleta. Lembra que o descarte irregular em via pública é crime ambiental passível de multa. A população pode colaborar denunciando esse tipo de irregularidade pelo 156.

A leitora reclama: A informação dada não procede, pois o lixo continua lá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.