Falta investigação sobre origem do armamento

O estudo do Instituto Sou da Paz mostra que, caso fosse feito um trabalho mais profundo de investigação, seria possível rastrear melhor as armas que circulam no mundo do crime.

O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2013 | 02h03

Pelo menos 40% das armas apreendidas não tinham a numeração raspada. "Há um espaço de trabalho mais qualificado no sentido de rastrear a origem dessas armas, interrompendo os canais de desvio e descobrindo de onde estão saindo", diz Bruno Langeani, do instituto.

No caso das pistolas, por exemplo, a maioria não teve a numeração raspada (51,8%). No de revólveres, 37% das armas continham a identificação.

Para evitar que os criminosos adulterem as armas, há propostas de criar uma identificação eletrônica dos objetos. Isso seria feito por meio de chips.

Hoje, dependendo da forma de adulteração do armamento, é possível recuperar a numeração. Para isso, os peritos usam ácidos e outros produtos químicos. No entanto, como os criminosos também se aperfeiçoam cada vez mais na raspagem e há poucos peritos disponíveis, a recuperação do número de série não é muito comum. / A.R. e B.P.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.