Falta ingresso, sobra animação

Frio, fome, sede, cansaço e, principalmente, dor de cotovelo. De amanhã a domingo, aficionados por Stevie Wonder, Shakira, Coldplay e Guns N'Roses vão passar pelas desagradáveis sensações comuns aos sem-ingresso. É a turma que fica grudada na grade que separa a Cidade do Rock do inferno do fanático por música: estar relativamente perto, mas muito longe do artista venerado.

ROBERTA PENNAFORT / RIO , O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2011 | 03h03

Nos três primeiros dias de Rock in Rio, dezenas de pessoas, a maior parte jovens que moram nas cercanias e não tiveram dinheiro suficiente para o ingresso, se aglomeraram ali. Graças ao bom alcance do som e da imagem do Palco Mundo (são três telões), é possível ver e ouvir bem as performances. Ambulantes vendem cerveja e batida de morango.

Muita gente já se programou para voltar. O sonho é dar a sorte das jovens Mayuri Mitsyuo e Luiza Andrezza, de 17 anos, que, domingo, por volta das 22 horas, ganharam ingressos de um funcionário da lojinha da rede Spoleto. De chinelo e cabelo molhado, as meninas haviam acabado de sair de casa, em um condomínio atrás do Riocentro. Davam entrevista ao Estado quando seu redentor chegou. "A gente veio só para dar uma olhada. Um amigo conseguiu comprar no cambista por R$ 50", dizia Mayuri, quando... "Tchaaauuuu!!!", gritou de longe, chegando à entrada.

A história virou lenda entre os sem-ingresso. "Eu não dou essa sorte... Mas é melhor estar aqui do que ver o Metallica pela televisão. A única diferença entre você e eu é essa grade", brincava o mergulhador Eric Jabyan, de 36 anos. "Não acho certo eles cobrarem R$ 190, quando paguei R$ 35 na última edição. O arroz não aumentou isso tudo. Vou voltar para ver Evanescence e System of a Down", afirmou o produtor Gabriel Capri, de 28 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.