Falta de segurança

FURTO NO PARQUE DO IBIRAPUERA

O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2012 | 03h04

Num sábado, 2 de junho, fui até o Parque do Ibirapuera de bicicleta para correr, perto das 13 horas. Deixei-a presa com trava no bicicletário, que fica em frente à guarita do portão 6. Após uns 30 minutos, retornei para tomar água, que estava na bicicleta, e fui dar mais uma volta. Decorridos mais uns 30 minutos, quando voltei, ela não estava mais lá, havia sido furtada. Essa foi a minha segunda bicicleta furtada no Parque, a anterior foi furtada em 2008, praticamente no mesmo lugar. Fora o prejuízo financeiro, o que mais me incomoda é o fato de eu a ter deixado presa no local específico para esse fim e com a suposta garantia de vigilância do segurança que estava lá no momento.

RODRIGO E. F. GUIMARÃES / SÃO PAULO

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente informa que é fundamental fazer o registro de ocorrências, como a do leitor, na administração do Parque, além de um Boletim de Ocorrência (B.O.) na Polícia Civil, para que se possam realizar as apurações necessárias. A administração do parque vai orientar a vigilância para intensificar as vigias no local apontado, juntamente com a Guarda Civil Metropolitana (CGM). Estão sendo instaladas Câmeras de Monitoramento pela Secretaria de Segurança Urbana nos principais trechos do parque, que poderão colaborar na inibição e apuração de delitos como esse.

O leitor responde: No dia do furto, eu me informei com a vigilância do parque (não com a GCM) em como deveria registrar a queixa na administração do parque e fui orientado a efetuar somente o B.O., que já foi feito. É lamentável que se passem anos até que sejam instaladas câmeras de segurança para "inibir e apurar" um problema que é recorrente há tanto tempo.

TELEFÔNICA/VIVO - 1

Fibra ótica não disponível

Em 20/4 meu marido solicitou por telefone o serviço Speedy por fibra ótica no plano de 15 mega (R$ 89,90/mês). Diante da viabilidade verificada na ocasião, foi instalada uma linha "virtual" no dia 30/4. O problema é que até agora não instalaram o serviço sob a alegação de que não há viabilidade no local (Vila Leopoldina). E como explicar que praticamente todos os meus vizinhos da rua têm esse serviço? Como a Telefônica/Vivo alega suposta inviabilidade técnica? Para variar, vendem e não entregam, pois continuam com a propaganda enganosa e má-fé. O nome da empresa mudou, mas a incompetência é a mesma.

ELISABETH MONTEIRO

/ SÃO PAULO

A Telefônica/Vivo informa que, no momento, não há viabilidade técnica para oferecer o serviço com a performance adequada no endereço da leitora. Diz que cancelou a linha, sem ônus para a cliente.

A leitora relata: No último dia 7, havia três funcionários da empresa instalando fibra ótica na rua de casa! Fomos falar com eles e nos mostraram que há três portas de saída de sinal numa caixa a 50 metros do poste da minha casa e outra caixa com mais uma porta de saída de sinal, ambas perfeitamente disponíveis. Tentei argumentar com a atendente sobre o fato, mas ela disse que, como a informação não consta no sistema, ela não pode emitir uma ordem de serviço.

TELEFÔNICA/VIVO - 2

Internet Ajato não funciona

Em 11/5 foi instalado pela Telefônica/Vivo o serviço de internet Ajato em substituição ao Speedy, que já era sofrível. Pois bem, esse novo sistema só funcionou durante algumas horas após a instalação. Sinto-me enganado e prejudicado pela Telefônica/Vivo, cujo representante garantiu que o Ajato era "excelente", tanto que acabei permitindo a visita de dois técnicos para a instalação do serviço. Já liguei diversas vezes à central da empresa e ninguém me dá uma resposta definitiva. Um atendente disse que o problema era no prédio, outro falou que a região onde moro estava com problema de "sinal", mas que estava sendo resolvido. Se o serviço já começou assim, dando dor de cabeça, como ficará depois?

JOSÉ MILTON A. CAMARGO

/ SÃO PAULO

A Telefônica/Vivo informa que o leitor fez a migração do serviço para o Ajato e confirmou seu funcionamento.

O leitor desmente: Informo que o serviço de internet Ajato foi instalado em minha residência em 11/5 e, em 14/5, já solicitei seu cancelamento. Gostaria de deixar bem claro que o referido serviço não funcionou, ao contrário da resposta da Telefônica/Vivo! Efetuei inúmeras reclamações por telefone (tenho todos os números de protocolo), mas ninguém resolveu absolutamente nada. A cada ligação ouvia uma desculpa diferente pelo não funcionamento desse péssimo serviço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.