Falta de plano para a cidade é o problema

A verticalização das cidades do litoral, por si só, não é problemática, mas sim a falta de planejamento e de desenho das cidades, de forma a considerar os interesses coletivos. Deve-se preservar o direito de circulação, o transporte, o saneamento básico e o conforto ambiental e contemplar a possibilidade de ventilação e de os imóveis já existentes continuarem recebendo a luz do sol, e não apenas os prédios que chegam.

O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2011 | 03h04

Além das questões técnicas, há um outro aspecto envolvido: os interesses culturais. Ao passar por esse processo de desenvolvimento imobiliário, os municípios litorâneos acabam se descaracterizando.

Geralmente quando há autorização para esse crescimento, os favorecidos são somente os empreendedores e investidores do mercado imobiliário. A população paga o imposto e não é favorecida no processo de "modernização".

Esse impacto pode ser sentido na cidade de Santos, por exemplo, que já passou, nos anos 1950 e 1960, por um processo de verticalização que trouxe prédios para toda a orla. O impacto foi muito grande em toda a dinâmica local.

Não sei os detalhes da mudança da legislação em Caraguatatuba. Mas sei que a Serra do Mar é um bem cultural tombado pelo Condephaat. E em Caraguatatuba há situações de urbanização muito próximas da serra. Então, outra agravante é o impacto que vai causar na questão da sustentabilidade, no patrimônio natural.  

   Leila Regina Diegoli, é coordenadora do curso de arquitetura, urbanismo da Universidade Católica de Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.