Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Falta de água em SP faz caminhão-pipa ficar até 275% mais caro

Valor passou de R$ 400 para até R$ 1,5 mil; gerente de uma das empresas ouvidas pelo 'Estado' admite que nº de pedidos dobrou

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

16 de outubro de 2014 | 03h00

SÃO PAULO - O aumento dos casos de falta d’água na cidade de São Paulo fez o preço do serviço de caminhões-pipa disparar nesta semana. O Estado fez uma cotação com seis transportadoras de água da região metropolitana e constatou aumentos que vão de 50% a 275%. O valor cobrado pelo serviço ficou entre R$ 600 e R$ 1.500, bem acima do que era praticado até segunda-feira, em torno de R$ 400.

Entre os fornecedores questionados, apenas um manteve o preço abaixo da média anterior, cobrando R$ 375. A todos, foi solicitado o mesmo orçamento: um caminhão-pipa com 15 mil litros de água para ser entregue na região central da cidade. “O número de pedidos dobrou nos últimos 15 dias”, admite um gerente.

Com o aumento da demanda, a maior parte das transportadoras não tem conseguido atender a todas as solicitações de entrega e muitas precisam ser agendadas. 

Anteriormente, o principal cliente era Guarulhos (que vive racionamento), mas há dez dias o maior número de entregas passou a ser no centro de São Paulo”, afirma o gerente. A empresa em que trabalha tem capacidade para realizar 32 entregas por dia, mas o número de pedidos diários chega a 80.

Prejuízo. Proprietário de um restaurante na região de Santana, zona norte de São Paulo, Ivan Debastiani reclama. “Há um mês e meio, eu pagava R$ 600 por 10 mil litros de água. Hoje, pago R$ 1.200”, afirma. “Cada caminhão-pipa dura três dias, imagina o prejuízo.”

Ele afirma já ter feito cinco reclamações pessoais e outras dez por telefone para a Sabesp, mas não obteve resposta. “Já perdi a esperança de que resolvam.” 

Tudo o que sabemos sobre:
São Pauloabastecimentocrise hídrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.