Falso cardeal será deportado para a Alemanha

Estrangeiro se dizia clérigo enviado ao Brasil pelo papa para investigar conduta do arcebispo de São Paulo, d. Odilo Scherer

LUANA ASSIS, LUIZ FELIPE BARBIÉRI e MARIA EDUARDA CHAGAS, Especiais para O Estado

21 Novembro 2014 | 23h07

SÃO PAULO - O falso cardeal preso na quinta-feira, 20, pela Polícia Militar em São Paulo vai ser deportado em 15 dias para a Alemanha. A informação é da Polícia Federal. O estrangeiro se dizia um clérigo enviado ao Brasil pelo papa Francisco para investigar a conduta do arcebispo de São Paulo, d. Odilo Pedro Scherer.

Com forte sotaque alemão, o homem que se apresentava nas paróquias, na maioria das vezes, como Wolfgang Schuler causou preocupação à Arquidiocese de São Paulo. Conforme o Estado revelou na quarta-feira, o cardeal arcebispo d. Odilo Pedro Scherer enviou carta a cada uma das paróquias de sua circunscrição, informando a existência do falso religioso e pedindo que quem o visse informasse “imediatamente” à polícia. 

Ao ser preso e levado ao 78.º DP (Jardins), ele se identificou com três nomes diferentes: Wolfgang Schuler, Christian Limley e André Von Hohenzollern. Depois, foi encaminhado à Polícia Federal, que o identificou como Wolfgang. Ele já havia respondido a um processo em 2003 por crime de falsa identidade, mas fugiu antes de ser deportado. “Eu fui nomeado pelo papa Francisco para investigar a conduta do cardeal arcebispo d. Odilo”, afirmou na delegacia, após ser preso na quinta.

Mais conteúdo sobre:
Alemanhafalso cardeal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.