Falsificação cult põe nas bancas Buñuel, Fellini e Orson Welles

Vendedor ambulante dos teatros do centro já conta com público cativo; produto ganha até capa de plástico duro

O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2012 | 03h05

Marcos (nome fictício), de 51 anos, é metalúrgico. O cinema, na verdade, nunca foi a praia dele. Mas, desempregado desde 2006, foi forçado a aprender quem foram Federico Fellini, Luis Buñuel e Orson Welles.

Ele é um entre vários camelôs que aderiram a um novo tipo de pirataria em São Paulo: a falsificação cult. Todas as noites, ele chega com uma sacola para instalar sua banca em uma área conhecida por concentrar teatros, na região central paulistana.

No início, tinha vergonha não só da pirataria como de ser ambulante. "Se fosse certo, a polícia não vinha apreender as minhas coisas. Moro no Grajaú (zona sul). Sabe por que vim trabalhar no centro? Porque aqui ninguém me conhece", afirma ele, que ainda sonha em largar os filmes e voltar a operar máquinas, como fez durante 24 anos.

Pelo repertório que adquiriu nos últimos três anos, tem uma margem de lucro maior do que a dos demais ambulantes. Vende os DVDs por R$ 10, três vezes mais do que os que trabalham apenas com blockbusters. O produto dele, porém, vem mais acabado, com capa de plástico duro.

"Aparece muito estudante aqui procurando documentário", conta Marcos, que se diz admirador de François Truffaut. Com o tempo, foi aprendendo o que cada tipo de público gosta. "Por aqui, tem muito cliente gay. Eles compram bastante filme do Almodóvar."

Foram filmes europeus que atraíram a publicitária Ana Campos, de 25 anos. Nascida em Belo Horizonte, foi em São Paulo que ela virou uma consumidora de filmes piratas. E sem culpa nenhuma, diante das propagandas antipirataria que são reproduzidas mesmo nas cópias ilegais. "Sou bem politicamente correta, mas nesse ponto, não. As gravadoras estão aí faturando bilhões", afirma.

Convicta, ela afirma ter desistido de voltar para as locadoras. "Achei uma banca ótima na Liberdade. Pretendo voltar", diz. / A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.