Falhas no fornecimento

Em 5/5, às 19 horas, houve novamente duas falhas no fornecimento de energia elétrica com dois picos de tensão, que acarretaram danos em meu computador. Ele já foi danificado em junho de 2009 pelo mesmo motivo e a AES Eletropaulo não pagou o reparo. Dessa vez não vou fazer reclamação à empresa, pois ela sempre se isenta de suas responsabilidades. Ela não faz manutenções preventivas nem adapta sua estrutura, obsoleta e inadequada, para as atuais demandas energéticas da região de Perdizes. Os picos e as falhas de energia ocorrem, pelo menos, uma vez por semana. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deveria atuar a concessionária. Irei tomar providências judiciais para, dessa vez, ser ressarcido.

, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2010 | 00h00

BORIS BECKER / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que o cliente deve ir à loja de atendimento mais próxima para solicitar o pedido de indenização por danos elétricos. De acordo com a Aneel, a distribuidora tem até 45 dias para analisar o pedido e responder ao consumidor via carta. O equipamento não deve ser reparado pelo cliente antes da análise. Informa que não consta registro anterior do cliente referente à abertura de pedido de indenização por danos em equipamentos elétricos. Diz ainda que, em 5/5, galhos de árvores caíram na rede e a energia foi restabelecida após a poda e o reparo na rede local. Esclarece que realiza constantemente manutenções preventivas na rede elétrica a fim de minimizar as interrupções no fornecimento de energia e garantir a qualidade do serviço aos clientes e que a manutenção preventiva no circuito responsável pelo fornecimento de energia elétrica no endereço citado está prevista para o segundo semestre, quando também serão podados os galhos que interferem na rede elétrica.

BILHETE INDISPONÍVEL

Programa de milhagem

Tentei utilizar o programa de milhagens da TAM para emitir duas passagens para Miami no início de abril, menos de 6 meses antes da data desejada. A atendente da loja da TAM disse que os bilhetes eram liberados lentamente pela companhia. Tentei pela internet, porém, não havia passagens da classe econômica, nem para setembro nem para outubro. Quando faço a simulação para daqui a 6 meses (ida e volta, dentro do prazo), o site diz que não pode realizar a operação. Quando ligo na loja e pergunto sobre a possibilidade de usar uma das empresas conveniadas, o atendente diz não ser possível.

CRISTINA CASELLI / SÃO PAULO

A TAM diz que entrou em contato com a sra. Cristina pelo Fale com o Presidente para esclarecer que há limitação de assentos para emissão de bilhetes com pontos do Programa TAM Fidelidade em voos internacionais de longo curso. Nos voos domésticos e na América do Sul operados pela companhia não há essa restrição.

A leitora diz: Sei que há restrição, mas qual é a quantidade de bilhetes disponíveis? Desisto, vou procurar outro programa de milhagem.

PEDÁGIO

Furando a fila

Em 2/5 estava na fila do Pedágio Moreira César, na Nova Dutra, quando 5 motociclistas passaram na minha frente, sem respeitar a fila. Inconformada, perguntei à funcionária se motos não precisavam respeitar a fila. Ela respondeu que sim, mas que não podia fazer nada. Pedi para falar com o responsável, mas ele deu a mesma desculpa. Eu tive de aguardar cinco espertos serem atendidos na minha frente.

EDNA MARIA AZEVEDO / SÃO PAULO

A CCR NovaDutra diz que a Gestão do Atendimento da concessionária estuda medidas para disciplinar o tráfego de motocicletas nas praças de pedágio na Rodovia Presidente Dutra.

PERIGO NA RODOVIA

Sinalização improvisada

A Rodovia Fernão Dias, interditada há um bom tempo, está com sua pista principal bloqueada no km 90, logo na saída da Dutra, em Guarulhos. No local, blocos de concreto fazem o bloqueio e os carros são desviados para a pista local. A única sinalização é feita por cones, que, com o tempo, caem, são roubados e a sinalização some. No começo de maio, voltando para casa à noite, havia carros de polícia e resgate no local, pois um carro passou direto, arremessando um dos blocos de concreto, e acabou destruído. No outro dia, havia outro bloco no local e outros cones, pois os anteriores já tinham sumido. Estão esperando que outro desavisado passe direto e morra para que alguma providência seja tomada? Por que as autoridades não sinalizam os blocos com pintura reflexiva ou sinalização luminosa?

DIEGO SANTOS F. SOUZA / GUARULHOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.