Faixas agravam congestionamentos em vias secundárias

Motoristas mudaram de trajeto e de horário, aumentando a lentidão no período entre os picos da manhã e da tarde

Artur Rodrigues, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2013 | 02h03

A criação de 140 quilômetros de faixas exclusivas de ônibus neste ano espantou veículos das grandes avenidas durante o horário de pico e agravou os congestionamentos em vias secundárias. Quem tem flexibilidade mudou de horário, aumentando a lentidão no período entre os picos da manhã e da tarde. Mesmo com uma faixa a menos, os congestionamentos nas grandes vias já saturadas não tiveram mudanças significativas.

A reportagem comparou antes e depois das faixas com base em dados das primeiras quinzenas de junho e agosto. Mapeamento feito pela Maplink mostra que a velocidade de carros nas Marginais do Tietê e do Pinheiros permaneceu praticamente igual. O número de veículos, porém, caiu na maioria dos sentidos e horários. "Com medo de entrar numa fria, as pessoas procuram um lugar por onde consigam trafegar. Mudam de horário, de trajeto, procuram um caminho novo pela cidade", afirma o consultor em transporte Luiz Célio Bottura.

Segundo a Maplink, às 7h, na Marginal do Pinheiros, o número de carros caiu 39% no sentido Interlagos. Já a velocidade média oscilou de 47,49 km/h para 48,91 km/h. No sentido inverso, no mesmo horário, o fluxo de veículos caiu 42% - a velocidade se manteve em 35 km/h.

A faixa da Marginal do Pinheiros começou a funcionar nos dois sentidos da via no início do mês passado, das 6h às 9h e das 17h até 20h. À noite, às 19h, a queda no fluxo no sentido Interlagos foi de 15%, com uma velocidade média que passou de 36 km/h para 35 km/h. Em direção à Castelo Branco, a diminuição chegou a 28%, e a velocidade caiu de 28 km/h para 25 km/h.

Na Marginal do Tietê, as faixas funcionam desde a metade de junho, das 6h às 9h no sentido Castelo Branco, e entre 17h e 20h em direção à Rodovia Ayrton Senna. Às 19h, sentido Ayrton Senna, o número de carros caiu 1,5%. A velocidade também variou pouco, passando de 32 km/h para 34 km/h.

Só no sentido da Rodovia Castelo Branco foi registrado aumento de veículos, uma variação de 32%. A velocidade, porém, continuou a mesma: 37 km/h.

Lentidão oculta. De acordo com dados gerais da cidade da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), os congestionamentos chegaram a ser menores no horário de pico nos primeiros 15 dias de agosto. Às 7h30, a lentidão caiu de 45 quilômetros para 38 km. Às 19h30, foi de 149 para 145. Muitos motoristas, contudo, atrasaram ou adiantaram a hora de ir para o trabalho para evitar o período em que as faixas estão em funcionamento. Às 10h30, por exemplo, o congestionamento na cidade passou de 49 km para 78 km. Às 17h30, foi de 79 km para 92 km.

Para o consultor Sérgio Ejzemberg, a ligeira queda na lentidão no horário de pico esconde um congestionamento oculto nas vias não monitoradas pela CET. "As filas para chegar até os grandes corredores aumentaram. Os congestionamentos se espalharam pelas transversais", diz. Com menos carros e vias saturadas, a velocidade acaba sendo a mesma. "Mas, se contar o tempo da viagem, demora bem mais", conclui o consultor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.