Faixa mal localizada

MOTORISTA E PEDESTRE EM RISCO

O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2012 | 03h03

Com indignação recebi multa da CET por suposta infração de não dar preferência a pedestre na esquina da Avenida Rebouças com a Alameda Itu. Ocorre que, neste local, a faixa de pedestre fica exatamente na esquina de uma grande via (Rebouças) com uma pequena rua (Itu), ou seja, trata-se de conversão de uma via de alta velocidade e intenso fluxo de carros para uma pequena rua de mão única. Por mais consciência que tenhamos, não é possível parar para o pedestre atravessar, sob o perigo de causar um acidente (colisão traseira), o que põe em risco motoristas e pedestre! É imperioso que a faixa de pedestre seja instalada a uma distância segura em relação à esquina. E é preciso que fiscais tenham discernimento para avaliar se foi o motorista que, intencionalmente, cometeu a infração ou foi a situação que o impediu de dar a preferência ao pedestre.

ADRIANO JAMAL BATISTA / SÃO PAULO

A CET informa que, caso o leitor se sinta prejudicado, pode interpor recurso contra a multa. Esclarece que a fiscalização de infrações relativas à faixa de pedestre vem sendo feita desde 2011 e integra um conjunto de ações do Programa de Proteção ao Pedestre.

O leitor critica: Vou recorrer, já que me senti prejudicado, mas a CET não informa o que estaria sendo feito em relação à correção das sinalizações (faixa de pedestre). A preocupação é punir indiscriminadamente. Não sou contra a fiscalização, desde que seja justa. No local citado a faixa de pedestre invade a Rebouças; portanto, se o motorista parar antes da faixa (como deve ser), ficará com o veículo sobre a faixa da Rebouças, o que igualmente caracteriza infração de trânsito.

TELEFÔNICA/VIVO

Reembolso difícil

Em 1.º/3, por descuido, paguei a mesma conta telefônica duas vezes. Liguei para a Telefônica e o atendente pediu para eu entrar em contato com a empresa em 8/3, para que as providências fossem tomadas. Liguei nessa data e solicitei que o valor fosse creditado na minha conta telefônica, mas disseram que o mais fácil seria creditar o valor em conta bancária - o crédito estaria disponível em 10 dias úteis. Como o crédito não foi feito, liguei e soube que o valor estava disponível no Banco do Brasil (BB). Como, se não tenho nem conta no BB? Mais uma vez prometeram o crédito até 12/4, o que não ocorreu. Liguei e o atendente, extremamente estúpido, repetiu que o valor seria creditado no BB!

LUZIA MOREIRA DA MOTA

/ SÃO PAULO

A Telefônica/Vivo informou que o valor pago em duplicidade seria creditado em conta corrente do titular da linha até o dia 11/5.

A leitora desmente: Até o dia 16/5 o valor não foi creditado em minha conta corrente, conforme promessa feita.

BARULHO EM MOEMA

Bar em área residencial

Moro em Moema e, há 18 meses, foi aberto a poucos metros de casa, na esquina das Ruas Pavão e Inhambu, um bar com música ao vivo. Após 31 protocolos abertos no Programa de Silêncio Urbano (Psiu) da Prefeitura, nenhuma providência foi tomada. Como alguém consegue alvará para abrir e operar um estabelecimento desse tipo em área residencial? Por que o Psiu não age, em vez de concluir os chamados por motivos fúteis como "decurso de prazo" ou "estabelecimento fechado na hora da vistoria?" Por que a PM só se limita a "pedir" que moderem o volume do som? É incompetência, conivência ou omissão?

ALEXANDRE NICOLAS GIKAS

/ SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, por intermédio do Psiu, informa que o estabelecimento foi multado em 19/8/11, interditado em 11/11/11 e multado novamente por desobediência à lei em 17/12/2011. Em 20/1/2012 foi fechado administrativamente. Mesmo com a determinação do Psiu, o estabelecimento continuou a funcionar e tem sua lacração programada para os próximos dias.

O leitor comenta: Aguardo ansiosamente a dita lacração, visto que desde janeiro de 2011 vários moradores e eu estamos sofrendo com a presença desse vizinho inconveniente.

BROOKLIN NO ESCURO

Descaso da Eletropaulo

Em complemento à reclamação de falta de energia no Brooklin (edição de 15/5, pág. C2), ressalto que moro na região e é impressionante o descaso da AES Eletropaulo. O problema é tão frequente que a maioria dos prédios possui ou está instalando geradores. O problema é recorrente e antigo e, até o momento, nada foi feito.

JOÃO LUIZ RIGOBELLO

/ SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.