Renato Henrique Benatti/Divulgação
Renato Henrique Benatti/Divulgação

Faixa em casa no interior alerta ladrões: 'Não tem mais nada'

Cirurgião dentista morador de Piracicaba se diz cansado de repor bens roubados após sua residência ter sido assaltada oito vezes

José Maria Tomazela , O Estado de S. Paulo

10 Abril 2015 | 14h40

SOROCABA - Depois de ter a casa assaltada oito vezes, o cirurgião dentista Renato Henrique Benatti, de 65 anos, morador de Piracicaba, interior de São Paulo, colocou na fachada um aviso aos ladrões de que não tem mais nada a ser roubado.

Os dizeres, em uma faixa amarela, chamam a atenção dos vizinhos, no bairro Alta Paulista, próximo do centro. A casa está à venda e o dentista já não mora no local. Ele se diz cansado de repor os materiais furtados pelos invasores.

Na mensagem, dirigida ao "sr. visitante anônimo", Benatti descreve que a casa já não tem fiação elétrica, lustres, luminárias, disjuntores, chuveiros, duchas e torneiras, entre outros itens. Segundo ele, os ladrões levaram até espelhos, motores e bombas da banheira e os equipamentos da piscina.

"Começaram pelas bombas da piscina, depois passaram para dentro, foram levando tudo. Por último arrancaram a fiação", relata Benatti. Para tirar as torneiras e registros, os invasores quebraram vasos sanitários, pias e bidês. "Jogaram o bidê do mezanino no piso do térreo só para retirar os metais, mas o piso ficou danificado."

O dentista registrou boletim de ocorrência nas duas primeiras invasões, depois desistiu. Como até o alarme tinha sido levado pelos criminosos, ele teve de providenciar um equipamento novo.

Na faixa, Benatti avisa que o alarme funciona com bateria, já que a casa está sem energia, e fica ligado a uma central. O cirurgião dentista Benatti fez questão de colocar seu telefone na faixa e termina a mensagem agradecendo ao "visitante anônimo" pela atenção.

Depois que a faixa foi instalada, há três meses, a casa não voltou a ser invadida.

Mais conteúdo sobre:
Violência Piracicaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.