Faculdades de Direito terão visitas in loco

Os cursos de Direito passarão, a partir de janeiro, por uma supervisão especial, com visitas in loco a todos, independentemente do resultado no sistema de avaliação do Ministério da Educação. A criação de novos vagas na área já está suspensa há dois anos e nenhum curso é autorizado há nove meses.

Lisandra Paraguassu e Victor Vieira, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2013 | 02h04

Depois de anos de intensa pressão da Ordem dos Advogados do Brasil, o MEC decidiu dar prioridade ao Direito. "É uma área muito crítica. Mais de 80% dos estudantes se formam e não conseguem habilitação na Ordem. Há um problema que temos de discutir, que é o Exame da Ordem. Outro é a qualidade dos estudantes formandos", explicou o ministro. De acordo com Mercadante, o MEC fará uma "radiografia rigorosa dos cursos".

Essa é a segunda área a passar por uma fiscalização especial. A primeira foi Medicina, o que resultou na revisão da lei que autoriza a criação de cursos na área de Saúde. Direito passou na frente, por exemplo, de Pedagogia, na qual o próprio ministro reconhece haver um problema de formação, e currículo e prática em sala de aula têm de ser revistos. Mercadante justifica a prioridade com a falta de estrutura necessária do MEC para fazer a supervisão de mais áreas ao mesmo tempo.

Segundo o presidente da Comissão Nacional de Educação Jurídica da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Eid Badr, é importante o MEC aprimorar a avaliação dos cursos. "Precisamos mudar esse cenário e melhorar a qualidade", afirma. Em fevereiro, o Conselho Federal da OAB votará uma nova proposta de marco regulatório do ensino de Direito. "Há também diretrizes gerais que podem ser aproveitadas em outras áreas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.