FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Pátio do Colégio amanhece pichado

Em ação que durou pouco mais de um minuto, vândalos escreveram a frase "Olhai por nós" em vermelho no marco zero da cidade

Paula Felix e Marina Dayrell, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2018 | 07h43

SÃO PAULO - Imagens de câmeras de segurança mostram a ação de pelo menos dois vândalos que picharam o Pátio do Colégio na madrugada desta terça-feira, 10. No vídeo, é possível ver que moradores de rua estavam no local no momento da pichação."A ação foi muito rápida, durou 1 minuto e meio. Eles molharam os moradores de rua que dormiam no local e parecia que usavam um extintor de incêndio", afirma o prefeito regional da Sé, Eduardo Odloak. 

Funcionários da Prefeitura já estão no local e devem auxiliar na limpeza da fachada. "Nos colocamos à disposição para fazer a lavagem do prédio. Se precisar ajudar com a pintura, temos um excedente de tinta branca e podemos ceder esse material. Vamos ajudar a igreja porque esse é um bem tombado e de extrema importância para a cidade", diz Odloak. O piso ao redor da construção também ficou manchado pela tinta.

Confira o vídeo abaixo:

O Pátio do Colégio é um complexo histórico-cultural considerado o marco inicial da cidade de São Paulo. A construção pertence à Companhia de Jesus, ordem religiosa dos jesuítas. "O Pátio do Colégio nunca foi vítima desse tipo de vandalismo. O lugar do nascimento da cidade foi ferido e cada cidadão dessa cidade foi ferido também", afirmou o padre Carlos Alberto Contieri, diretor do complexo. O padre disse que os prejuízos ainda não foram calculados e que o reparo da fachada depende de uma análise.

Por esse motivo, a remoção da tinta foi realizada pelos funcionários da gestão municipal apenas no chão e na parte de pedra do prédio. "Não é passando uma tinta por sobre a tinta da pichação que vamos recuperar a fachada. Será necessário um trabalho muito mais esmerado", afirmou o diretor do complexo.

Pessoas que passaram pelo local ficaram indignadas ao ver o prédio pichado. "Estou surpresa. É muito triste ver isso", disse a estudante francesa Valentine Lestringuez, de 17 anos, que faz intercâmbio no Brasil. Procurando emprego na região, o marteleteiro Luciano José dos Santos, de 42 anos, criticou o ato. "Não é justo fazer isso com o patrimônio. É um lugar tão interessante para passear, uma coisa tão bonita."

+ Novo comandante da GCM em SP é réu por desvio de dinheiro público

+ Juízes pedem providências sobre pichações em prédios da Justiça no Rio

Lei

A legislação municipal prevê, desde fevereiro do ano passado, multa de R$ 5 mil para quem for flagrado pichando muros públicos ou privados. Caso o alvo seja um monumento ou um bem tombado, o valor sobe para R$ 10 mil. A multa é dobrada em caso de reincidência.

Segundo o prefeito regional da Sé, foram aplicadas 80 multas na região desde que a lei foi sancionada. Procurada para falar sobre a pichação, a Guarda Civil Metropolitana (GCM), responsável pela proteção do patrimônio público, ainda não se pronunciou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.