'Facebook de Vereadores' ganha concurso

O "Facebook dos Vereadores", aplicativo de computador que permite rastrear todas as votações e projetos de lei, foi o programa vencedor da 1.ª Maratona Hacker da Câmara Municipal de São Paulo. A ferramenta, cujo nome oficial é Siga os Vereadores de São Paulo, bateu oito concorrentes e foi escolhida ontem a vencedora da competição.

FELIPE TAU, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2012 | 04h18

Também chamada de Hackathon, a disputa foi lançada pela Câmara para melhorar a visualização das informações públicas disponíveis no site www.camara.sp.gov.br. Os competidores tiveram de 12 a 25 de maio para desenvolver seus projetos.

Os nove times tinham como missão criar formas fáceis e atraentes de visualizar os dados públicos. Para o Facebook dos Vereadores, Felipe Barreto Bergamo e Hitoshi Mizobuchi, de 24 anos, e Mauricio Sako, de 23, se inspiraram na famosa rede social para mostrar como cada um dos 55 integrantes da Casa se comporta ao longo do tempo.

O usuário escolhe "seguir" um vereador e recebe uma atualização a cada ação que ele toma: se vota a favor ou contra uma CPI, se apoia determinado projeto de lei, se lança um projeto próprio, entre outras coisas. As atualizações podem ser compartilhadas e comentadas na rede.

A equipe que fez o projeto levará um prêmio de R$ 7 mil, em cerimônia no dia 15. O segundo colocado - a ferramenta Radar Parlamentar - receberá R$ 3 mil, e o terceiro, o CMSP Wiki, levará R$ 1 mil. O Radar mostra um gráfico com as semelhança dos partidos na votações; já o Wiki exibe um perfil dos vereadores em uma enciclopédia eletrônica, com integrantes do gabinete, projetos e gastos mensais.

Segundo o coordenador do Centro de Tecnologia da Informação da Câmara, Eduardo Miyashiro, os projetos terão seus links exibidos no site da casa, além dos códigos de programação, para que possam ser copiados e aperfeiçoados livremente por outras pessoas.

Eles não devem, porém, ser desenvolvidos pela Câmara. "Como a maioria dos participantes optou por fazer um acompanhamento da participação política dos vereadores, é melhor a gente não interferir e deixar a sociedade fazer isso", disse Miyashiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.