Fábrica de fogos de artifício que explodiu no ABC era irregular

Local tinha autorização apenas para vender artefatos, mas também armazenava e fabricava, segundo a prefeitura

Priscila Trindade, Central de Notícias

24 de setembro de 2009 | 16h20

A prefeitura de Santo André confirmou que a explosão que ocorreu nesta quinta-feira, 24, aconteceu em uma fábrica de fogos de artifício irregular. O estabelecimento tinha licença para comercializar os produtos e não para fabricá-los. Os fogos eram feitos na casa do proprietário da loja. A prefeitura suspeita que os fogos fossem fabricados nos fundos da residência.

 

Veja também:

mais imagens Galeria com fotos do acidente

mais imagens Foto mostra antes e depois da explosão

especialExplosão e tragédia - acidentes na última década

som Moradora de Santo André fala da explosão em loja

video Vídeo - Repórter fala da explosão em Santo André

especialTem relatos, fotos ou vídeos da tragédia? Mande para o Estadão no twitter

linkCães ajudam na busca por sobreviventes em Santo André

linkUm dos mortos era dono da fábrica que explodiu, diz prefeito

linkEnergia é cortada em rua onde ocorreu explosão no ABC

 

O local onde houve a explosão tinha alvará de funcionamento em dia, com vencimento para 31 de dezembro. Porém, a autorização era apenas para comercialização de fogos de artifício, e não para armazenamento e fabricação, segundo o prefeito da cidade, Aidan Ravin (PTB). Por causa do acidente que ocorreu no início da tarde desta quinta-feira, o quarteirão precisou ser isolado.

  

O comandante da primeira companhia do Corpo de Bombeiros, coronel Luiz Navajo, diz que uma possível causa para a explosão é que poderia haver muita pólvora armazenada no local, mais até do que o permitido. Segundo a prefeitura, até o momento foram contabilizados dois mortos e três pessoas estão desaparecidas. Mais cedo, o órgão havia divulgado um número maior de vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.