Fã leva 19 lotes de leilão de bens de Clodovil

Comercialização de objetos do estilista arrecadou R$ 372 mil, quase o dobro do esperado; oferecida por R$ 10,8 mil, gravata de brilhantes saiu por R$ 46 mil

Texto corrigido às 20h08 para correção de informação, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2012 | 03h04

O leilão do espólio do estilista e deputado federal Clodovil Hernandes, morto há três anos, realizado na noite de anteontem na capital paulista foi um sucesso de público e de arrecadação. O valor das peças vendidas chegou quase ao dobro do esperado pelos organizadores: R$ 372,6 mil.

Foram negociados 162 lotes, durante quatro horas e meia, na Casa 8, nos Jardins, zona sul. A sala permaneceu lotada até o fim - nem mesmo o calor e a falta de ar condicionado fizeram o público desistir. Mais do que negociantes, compareceram fãs do excêntrico estilista.

Entre esse grupo de admiradores estava o arquiteto catarinense Luis Pedro Scalise, de 44 anos, que viajou de Mato Grosso do Sul, onde mora, para São Paulo especialmente para o leilão. Ele veio arrematar uma peça em especial, a mais cara, a gravata de ouro branco com 1.095 brilhantes, avaliada em R$ 10.860. E a levou por R$ 46 mil.

A peça foi apresentada quase no fim do evento. O item causou a disputa de lances mais longa e emocionante de todo o leilão. O ambiente parecia o de um pregão da Bolsa de Valores nos velhos tempos, com gritos, telefones tocando e pessoas extremamente agitadas.

Vitória. Quando, finalmente, arrematou a gravata, Scalise não se conteve. Deu um grito seco de vitória e foi abraçado pela maioria. Teve, sim, quem saísse nessa hora muito irritado por não ter conseguido a peça. Assim como teve quem perguntasse a Scalise se ele, por um acaso, usaria a gravata. "Vou usar. E será na Casa Cor, em São Paulo", respondeu.

Mais tarde, o arquiteto explicou que fará o espaço para o lançamento mundial de Valente, desenho da Disney, no evento de decoração. "Será o quarto da princesa Merida. Na abertura, vou usar a gravata borboleta, que me faz lembrar a gravata do Mickey. Será uma homenagem à Disney e a Clodovil."

O maior comprador. Filho de usineiro e sobrinho dos fundadores do Banco Noroeste, Scalise levou mais 19 lotes do leilão. De joias, além da gravata, ele ainda comprou o escapulário de ouro com a foto da mãe de Clodovil. "Vou dar para a minha mãe. Ela gostava muito dele."

Scalise conheceu Clodovil nos anos 1990, por intermédio de sua tia, Rosa Gallo de Moraes, cliente assídua do estilista. "Começamos a trabalhar juntos. Fazia a estamparia nos tecidos exclusivos de Clodovil", conta.

Empresário com negócios que vão de decoração a casas noturnas, Scalise sabia que muitas peças não valiam o que ele pagou. "Não tem problema. O importante é a lembrança."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.