Werther Santana / Estadão
Werther Santana / Estadão

Exposição homenageia Revolução de 1932

Mostra ficará aberta ao público na sede do Tribunal de Justiça de São Paulo e contará com peças de colecionadores, algumas inéditas

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 05h00

Capacetes, vestimentas, fotografias e outros objetos originais da Revolução de 1932 estarão expostos ao público a partir de hoje no prédio do Tribunal de Justiça de São Paulo, localizado na Praça da Sé, região central da capital.

Cerca de 70 objetos da época fazem parte da mostra “Hoje e Sempre - Exposição Histórica Comemorativa dos 86 anos da Revolução Constitucionalista de 1932”, que contará com peças de colecionadores - algumas delas inéditas.

“Temos núcleos permanentes sobre o tema e também duas salas com acervo da revolução, que são abertas ao público. Para esta exposição, trouxemos colecionadores e entusiastas do movimento. É um acervo raro que mesclamos com o nosso”, conta Bruno Bettine, coordenador do Museu do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Peças originais. Na abertura, que será realizada às 17 horas de hoje, haverá a encenação do episódio da morte de Mário Martins de Almeida, Euclides Bueno Miragaia, Dráusio Marcondes de Sousa e Antônio Américo Camargo de Andrade, cujas iniciais - MMDC - formaram o nome escolhido pelo movimento. Os revolucionários paulistas exigiam uma nova Constituição e enfrentaram as tropas federais de Getúlio Vargas. Apesar da derrota nos combates, o grupo fortaleceu o movimento constitucionalista, de modo que o País ganhou uma nova Constituição em 1934.

“Teremos a matraca original, que é o símbolo mais icônico da Revolução. Ela simula o barulho de uma metralhadora e São Paulo a usava para dizer que ainda tinha armamento”, conta Bettine.

A entrada é gratuita e o público poderá conhecer o acervo fixo e visitar o prédio do tribunal. “O Tribunal de Justiça é uma das instituições de vanguarda na preservação da história. Membros do judiciário lutaram na revolução e este é um fato histórico no qual o tribunal esteve presente antes, durante e depois. Além disso, a sede do TJ é um dos prédios mais importantes de São Paulo.”

SERVIÇO:

A EXPOSIÇÃO FICARÁ ABERTA ATÉ O DIA 5 DE JULHO NO SALÃO DOS PASSOS PERDIDOS E PODE SER VISTA ENTRE 12H30 e 18H30. A ENTRADA É GRATUITA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.