Cesário Lange/Facebook/Reprodução
Cesário Lange/Facebook/Reprodução

Explosões levam cidade do interior de SP a fechar caixas mais cedo

Prefeitura de Cesário Lange determinou que as quatro agências do município só mantenham dinheiro nos equipamentos das 8h às 17h

José Maria Tomazela, O Estado de S. paulo

27 de março de 2015 | 03h00

SOROCABA - A prefeitura de Cesário Lange, na região de Sorocaba, interior de São Paulo, baixou decreto determinando que as quatro agências bancárias da cidade só mantenham dinheiro nos caixas automáticos das 8 às 17 horas. Fora desse horário, os caixas devem permanecer vazios, sob pena de multa. O novo horário vigora desde o início de março. Antes, os caixas liberavam dinheiro até as 22 horas.

A medida, segundo o prefeito Ramiro de Campos (PSDB), foi tomada em razão do risco que os constantes ataques aos caixas com explosivos trazem à população. Só este ano, três agências foram atacadas e duas - do Banco do Brasil e do HSBC - continuam fechadas para a reforma dos prédios, destruídos pelas explosões. Ele informou ter se reunido com os gerentes das agências locais, com o comando da Polícia Militar e com o delegado da Polícia Civil que responde pela região.

Também foram ouvidos comerciantes e lideranças comunitárias. "Houve consenso de que, como estava, não dava para ficar. Os bandidos invadem a cidade com armas pesadas, fazem disparos a esmo, aterrorizam a população. As explosões danificam não só as agências, mas outros imóveis e colocam a vida de pessoas em risco", afirmou.

Aval. A maioria das pessoas contatadas pela reportagem aprovou a medida. De acordo com o empresário Eduardo Fiusa, dono de hotel e postos de combustível, é melhor ter os caixas em uma parte do dia do que não tê-los. "Como a agência que eu uso está fechada, sou obrigado a viajar até Tatuí para usar o banco." Fábio Torquetto, sócio de uma indústria de folheados, também apoia a iniciativa. Ele conta que a explosão da agência do Banco do Brasil obrigou a mudar o sistema de pagamento dos funcionários, que sacavam o dinheiro nesse banco. "São tantas explosões que a agência tem ficado mais fechada do que aberta. Pelo menos acho que os ataques vão diminuir."

O operador Osmar Rodrigues acha que os caixas deveriam funcionar pelo menos até 19 horas. "Quem trabalha fica sem chance de fazer saques." O prefeito disse que o funcionamento até as 17 horas foi um pedido dos gerentes, pois é o horário em que se encerra o expediente interno. As agências atendem o público das 10 às 15 horas. Segundo Campos, a prefeitura negocia com a empresa detentora do Banco 24 horas para a instalação de um caixa na rodoviária municipal. O local tem vigilância também durante a noite.

Além de Cesário Lange, onde também uma agência do Bradesco foi explodida, já houve ataques com dinamite este ano em seis cidades da mesma região: Pereiras, Porangaba, Conchas, Bofete, Guareí e Boituva. Em Conchas, foram dois ataques, o último na quarta-feira. A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que sua área jurídica vai analisar o decreto municipal e que os ataques a caixas eletrônicos em todo o País causam preocupação.

A Secretaria da Segurança Pública informou que o número de furtos a caixas eletrônicos com explosivos caiu 66,1% no Estado no mês passado, de 62 em 2014 para 21 este ano. A Secretaria informou ter conseguido que o Exército adotasse uma regra que obriga as empresas a contratarem escolta privada para os carregamentos de explosivos e que a Febraban se comprometesse a ampliar os dispositivos de segurança nos caixas. Também trabalhou para que a Câmara dos Deputados pautasse o endurecimento das penas para esse tipo de furto.



Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.