Explosão em fábrica de fogos mata 2 pessoas em Santo André

Imóveis vizinhos ao local da explosão desabaram e pelo menos um quarteirão ao redor do local foi atingido

Renato Machado, O Estado de S. Paulo, e estadao.com.br,

24 de setembro de 2009 | 12h53

  

Explosão de loja de fogos destruiu pelo menos quatro casas em Santo André. Foto: Nilton Fukuda/AE

 

SANTO ANDRÉ - Pelo menos 2 pessoas morreram e dez ficaram feridas depois de uma explosão em uma fábrica de fogos de artifício em Santo André. No entanto, informações ainda não confirmadas apontam que há mais vítimas. Inicialmente, equipes de resgate que foram ao local chegaram a dizer que o acidente deixara 11 vítimas fatais. Uma pessoa está desaparecida. Moradores de Santo André ouviram uma forte explosão por volta das 12h45, horário em que os bombeiros foram acionados. Quatro casas desabaram completamente, segundo a Prefeitura de Santo André.

 

Veja também:

mais imagens Galeria com fotos do acidente

mais imagens Foto mostra antes e depois da explosão

especialExplosão e tragédia - acidentes na última década

som Moradora de Santo André fala da explosão em loja

especialTem relatos, fotos ou vídeos da tragédia? Mande para o Estadão no twitter

linkCães ajudam na busca por sobreviventes em Santo André

linkUm dos mortos era dono da fábrica que explodiu, diz prefeito

linkEnergia é cortada em rua onde ocorreu explosão no ABC

  

Assista ao vídeo com relato do repórter Jocelyn Auricchio, que mora em Santo André

 

O local onde houve a explosão tinha alvará de funcionamento em dia, com vencimento para 31 de dezembro. Porém, a autorização era apenas para comercialização de fogos de artifício, e não para armazenamento e fabricação, segundo o prefeito da cidade, Aidan Ravin (PTB). Por causa do acidente que ocorreu no início da tarde desta quinta-feira, o quarteirão precisou ser isolado.

  

De acordo com o delegado-seccional Luiz Carlos dos Santos, por se tratar de uma área residencial a autorização era só para a venda de fogos, e se havia fabricação, então era irregular. "Os primeiros indícios, principalmente a grande quantidade de varetas, indicam que lá poderia ser fabricado material", afirmou.

 

O comandante da primeira companhia do Corpo de Bombeiros, coronel Luiz Navajo, diz que uma possível causa para a explosão é que poderia haver muita pólvora armazenada no local, mais até do que o permitido. O local funcionava apenas como loja de fogos de artifício. O dono do estabelecimento morava nos fundos do imóvel.

 

 

 

A terceira pessoa que era considerada desaparecida é um adolescente de 14 anos que estava na escola no momento da explosão. Uma das vítimas seria o dono da loja. No entanto, o irmão do dono do local também pode estar entre as vítimas da explosão.

 

Casas foram atingidas e destelhadas e moradores de pelo menos 30 tiveram que sair das residências. Carros estão destruídos e foram arremessados para o alto. O Corpo de Bombeiros de Santo André enviou 60 homens ao local e quatro quarteirões estão interditados. Não há informações se o local havia passado por uma vistoria recentemente. A Defesa Civil de São Paulo enviou três viaturas, com seis agentes, ao local para colaborar.

 

Parte das vítimas serão encaminhadas ao Hospital Municipal de Santo André, segundo os bombeiros.

O Centro Hospitalar de Santo André confirmou que pelo menos dez vítimas da explosão deram entrada no hospital. No entanto, funcionários não precisaram quantos pessoas foram atendidas até o momento, mas informam que pessoas que ficaram feridas no acidente estão sendo levadas ao hospital. Ainda segundo o hospital, entre as vítimas nenhuma está em estado grave.

 

Atualizado às 19h27 para acréscimo de informações

Tudo o que sabemos sobre:
explosãoSanto André

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.