Explicações para tragédias como essa nunca são simples

Tragédias como a de Santana de Parnaíba não costumam ter só um motivo - são decorrência de uma conjunção de fatores. Se houver um fator único, talvez ele possa ser controlado. O primeiro e mais óbvio fator no caso é a escalada de violência entre vizinhos. A melhor maneira de evitar tal perigo é impedir interações diretas em casos de conflito, incluindo sempre um mediador.

ANÁLISE: Daniel Martins de Barros, É DIRETOR DO NÚCLEO DE PSIQUIATRIA FORENSE DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS, ANÁLISE: Daniel Martins de Barros, É DIRETOR DO NÚCLEO DE PSIQUIATRIA FORENSE DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2013 | 02h03

Outro ponto central nesse caso é a presença de um revólver. Dados empíricos mostram que uma arma em casa aumenta o risco de morte por acidente, homicídio ou suicídio.

Por fim, há a notícia de que o agressor sofria de uma doença neurológica crônica. De fato, enfermidades crônicas aumentam o risco de suicídio e há medicamentos neurológicos que podem alterar o comportamento dos pacientes. Mas, olhando em retrospecto o histórico desse crime, parece que seu cenário vinha sendo desenhado há tempos, por outros caminhos. Se o aspecto médico teve influência, foi periférica. Infelizmente, o comportamento humano não se presta a tal simplificação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.