Executada com 10 tiros na frente da filha

Na noite seguinte ao Dia de Finados, a policial militar Marta Umbelina da Silva, de 44 anos, resolveu acompanhar a filha mais velha, Joyce, de 21, até o ponto de ônibus. Levou junto a caçula, de 11. Ela andava preocupada com a segurança da família, que mora na Brasilândia, zona norte. Na volta, já na porta de casa, a PM foi executada com dez tiros diante da própria filha. "A menina até hoje não abriu a boca para contar o que aconteceu. Não falou nem para a psicóloga", diz a irmã de Marta, a enfermeira Marlene, de 48 anos, que está preocupada com tanto silêncio.

/ V.F., O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2012 | 02h02

Além da preocupação, Marlene e os outros quatro irmãos não sabem o que fazer. A mãe, a mineira Matildes, de 78, está à base de antidepressivos. "A gente não consegue trabalhar. Nesta semana, desmaiei no hospital onde trabalho. Marta estava no auge da vida."

Alegre e muito vaidosa, a PM havia acabado de quitar a casa onde morava e comprado um Gol. "Também estava feliz porque começaria um curso de reciclagem", conta Marlene. Marta estava havia 15 anos na corporação e trabalhava no RH. Segundo a irmã, ela nunca havia usado sua arma e achava que estava destreinada. Sua função na polícia era dar assistência aos familiares de policiais que morriam.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.