Excesso de peso no teto pode ser causa do desabamento em SP

Aparelhos de ar-condicionado, som e iluminação teriam sido instalados indevidamente em reforma no templo

Da Redação, com informações de O Estado de S. Paulo,

19 Janeiro 2009 | 19h01

O desabamento na Igreja Renascer - que deixou nove mortos e 114 feridos até a tarde desta segunda-feira, 19, - pode ter sido causado pelo excesso de peso no teto do templo. O peso seria causado por aparelhos de ar-condicionado, som e iluminação instalados, sem autorização, nos últimos anos. Além disso, pequenas infiltrações também contribuíram para o teto cair. O desabamento aconteceu às 18h50 do domingo na sede da Renascer, que fica na Avenida Lins de Vasconcelos, no Cambuci.   Na tarde desta segunda, a Renascer alegou que o local tinha alvará de funcionamento válido até o julho de 2009. A sede da Igreja Renascer teria passado por reformas recentes, segundo testemunhas. As buscas nos escombros do acidente foram suspensas no começo da tarde desta segunda-feira, 19, já que uma pessoa que era considerada desaparecida foi encontrada por familiares.   Veja também: Lula está 'consternado' com desabamento na Igreja Renascer Após desabamento em igreja, Kassab quer secretaria especial Conselho de engenharia quer investigar obra em igreja Interdição no entorno da Renascer deixa 15 pessoas desalojadas Troféu de Kaká não estava no templo; jogador casou no local Casal Hernandes divulga nota sobre desabamento Igreja Renascer divulga lista das vítimas do desabamento  Galeria de fotos: imagens do local e do resgate às vítimas  Todas as notícias sobre o desabamento na Igreja Renascer         No fim da tarde desta segunda, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) informou que o local estava com sua documentação em dia. "Quando ruiu havia um alvará, então alguma coisa não estava certa", disse o promotor público que acompanha a apuração criminal do caso, Ricardo Andreucci. O alvará de funcionamento do imóvel foi renovado em 15 de julho do ano passado pela Secretaria de Habitação da Prefeitura de São Paulo e tem validade de um ano. "Vamos analisar por que razão foi autorizado o funcionamento de um prédio que não tinha condições de funcionar."

Mais conteúdo sobre:
Igreja Renascer tragédia na Renascer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.