Ex-segurança roubou prédio por vingança

O vigilante Ricardo Martins da Costa não se conformou com a demissão por justa causa e resolveu se vingar do patrão. Ou melhor, da empresa de segurança do condomínio de luxo em que trabalhava no Morumbi, zona sul de São Paulo. Segundo a polícia, ele não pretendia só roubar apartamentos, mas mostrar a fragilidade no acesso ao prédio. Ele está preso, acusado de ter invadido o edifício em 19 de maio com outros dois homens - um deles seu irmão.

Camilla Haddad, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2010 | 00h00

Emerson Martins da Costa e Michael da Silva Leal também foram detidos após prisão temporária decretada pela Justiça, há dez dias. Na versão do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic), o vigilante conhecia um ponto estratégico nos muros do Condomínio Ventana para colocar uma escada, revestida nas extremidades, sem que deixasse riscos na parede. Ele subiu até a cobertura e utilizou uma passagem de manutenção para chegar à cobertura, onde passou cerca de sete horas.

Costa escolheu como vítimas moradores da cobertura e de um apartamento no 5.º andar. Depois de roubar com os comparsas objetos dos dois imóveis, os acusados prenderam as vítimas na cobertura. O grupo levou dois netbooks, um iPad, uma pequena quantia de dólares e euros, relógios e roupas.

O delegado Antônio Heib afirmou que inicialmente a polícia teve dificuldade em saber como os ladrões entraram no local. Depois, chegaram aos acusados ao analisar as fichas da empresa de segurança e tomar conhecimento das ameaças. A empresa de segurança Haganá não detalhou a demissão do acusado.

Preste atenção

1. O síndico e os demais membros do Conselho do edifício precisam ter extremo rigor na contratação de funcionários, como porteiros, seguranças e faxineiros. Eles devem ser treinados constantemente.

2. Ao contratar um funcionário, é necessário checar antecedentes criminais, verificar se já trabalhou em outros prédios e por quanto tempo. Vale ainda buscar informações com antigos chefes sobre como se desenvolvia seu trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.