Ex-secretário alega falta de estrutura para não fiscalizar

O prefeito de Embu-Guaçu, Clodoaldo Leite da Silva, admite que houve problemas. "Quando vimos que havia um corte excessivo de árvores, abrimos sindicância e demitimos o secretário", disse. O ex-secretário do Meio Ambiente, Oséias Lourenço da Silva, nega que tenha participado de esquema e afirma que não fiscalizou por falta de estrutura. "Existe um carro para 172 milhões de metros quadrados na cidade", diz. O ex-presidente da associação de moradores, Flávio Nishikata, acusado de participar do esquema, nega as denúncias. Ele diz que o corte de árvores foi organizado pelo ex-conselheiro fiscal da associação, Leonardo Chiesi, que fez as denúncias ao Ministério Público. "Ele se ofereceu para podar árvores em risco. Seria ressarcido com dinheiro desses cortes. Não imaginávamos que iria extrapolar", afirmou Nishikata. / B.P.M.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.