Google Maps
Google Maps

Ex-PM mata pai e filha de 5 anos de ex-mulher na zona leste

Homem foi preso em flagrante e estava com revólver com a numeração raspada; segundo a polícia, ele confessou crime

Paula Felix e Giovana Girardi, O Estado de S. Paulo

01 Setembro 2018 | 13h11
Atualizado 01 Setembro 2018 | 22h19

SÃO PAULO - Um ex-policial militar de 34 anos foi preso em flagrante nesta sexta-feira, 31, após matar o pai e a filha de 5 anos da ex-mulher na Rua Sananduva, na Vila Matilde, zona leste da capital.

Segundo a Polícia Civil, Kleber dos Santos Alves atirou no ex-sogro, José Xavier de Oliveira, de 54 anos e na ex-enteada Pietra, de 5 anos, por volta das 19 horas e fugiu.

As vítimas morreram na hora. A ex-mulher Lucineia Domingos estava em casa, com uma bebê de cinco meses, filha de Alves, e não ficou machucada. Segundo o advogado André Lozano, amigo do pai de Pietra que está ajudando a família após o crime, Alves tinha sido visto por vigias da rua rondando a casa ao longo da tarde.

De acordo com Lozano, a menina foi baleada quando chegou da escola. Xavier, que costumava aguardar a criança chegar, estava no local e foi atingindo nessa ocasião também. "Pelo laudo, Alves deu dois tiros em Pietra e saiu em busca de Pamela, a filha mais velha de Lucineia. Como ele não a encontrou, voltou e deu mais dois tiros em Pietra, que já estava no chão. Acreditamos que ele queria matar as duas", diz o advogado. Pamela tem 10 anos e é filha de um outro relacionamento de Lucineia.

Alves escapou e, após buscas, foi localizado na mesma região em que ocorreu o homicídio. Ele usava uma touca ninja e carregava um revólver calibre 38, com a numeração raspada, e cinco munições deflagradas. 

Crime anterior

A Polícia Militar paulista informou que ele foi exonerado da corporação em setembro de 2008, por ter sido condenado a 19 anos e dois meses de prisão em 2007 pelo crime de homicídio doloso e por não preencher os requisitos para a função.

Naquele ano, foi assassinada Juliana Bocato Guido, de 22 anos, que tinha uma filha de 4 anos. A jovem foi achada morta com tiros nas costas em seu apartamento no Parque São Lucas, também na zona leste. O ex-namorado, o então PM Kleber Alves, na época com 23 anos, foi apontado como autor.

Lozano diz que Lucineia soube somente nesta sexta-feira que Alves tinha cometido este crime. Segundo o advogado, o ex-PM chegou a ficar preso, mas já estava em regime aberto. Ele conta que Lucineia já tinha registrado dois boletins de ocorrência contra Alves, em maio e em junho, por agressão. "Eles se separaram há três meses justamente por causa da agressividade dele."

O caso dessa sexta-feira foi registrado no 53.º DP (Parque do Carmo) como homicídio qualificado e posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito. Alves permanece preso, à disposição da Justiça. Ao admitir o duplo assassinato à polícia, ele também disse que o sogro era um desafeto. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.