Facebook/Reprodução
Facebook/Reprodução

Ex-namorado é preso suspeito de matar estudante de 16 anos em Apiaí

Luana Maciel dos Santos, de 16 anos, foi encontrada morta a facadas, neste domingo, 25; vizinhos disseram ter visto ex com ela pouco antes

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2018 | 17h21

SOROCABA - A estudante Luana Maciel dos Santos, de 16 anos, foi encontrada morta a facadas, neste domingo, 25, em Apiaí, interior de São Paulo. A Polícia Civil prendeu o ex-namorado dela, Josemar de Paula Siqueira, de 33 anos, suspeito de ter cometido o crime.

A vítima estava sozinha na casa de uma irmã, no bairro Palmital, e foi achada já sem vida, sobre a cama, com várias perfurações pelo corpo. Conforme a investigação, o ex não aceitava a separação e foi visto com a Luana poucas horas antes do corpo ser encontrado. 

Ela foi atingida por golpes, provavelmente de faca, na altura do pescoço. Havia sangue espalhado pelo quarto e indícios de que ela entrou em luta corporal com o agressor, tentando se defender.

À Polícia Militar, que foi chamada pela família da vítima, vizinhos relataram terem visto o suspeito com a jovem pouco antes do crime. Siqueira foi detido e levado ao plantão da Polícia Civil. Ele negou o crime, mas entrou em contradições e o delegado Valmir de Oliveira Barbosa decidiu pela prisão.

Em audiência de custódia, a Justiça manteve a prisão preventiva. O suspeito foi levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Capela do Alto. Ele deve responder pelo crime de feminicídio.

A polícia investiga se um amigo do agressor ajudou-o no crime. Siqueira não tinha defensor constituído até a tarde desta segunda-feira, 26. O corpo de Luana foi sepultado no Cemitério Municipal de Apiaí.

Este é o segundo homicídio registrado este ano na cidade, de 25 mil habitantes. Em 2017, aconteceram quatro homicídios dolosos, segundo estatística da Secretaria da Segurança Pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.