Robson Fernandjes/AE
Robson Fernandjes/AE

Ex-mulher de Mizael se contradiz e promotoria denuncia falso testemunho

Em audiência, Nilza de Souza disse que deu queixa contra ex-namorado de Mércia por não aceitar fim de relacionamento, mas não falou sobre ameaça à mãe

Gabriel Vituri, estadão.com.br

19 de outubro de 2010 | 15h30

GUARULHOS - No segundo dia de depoimentos na audiência sobre a morte de Mércia Nakashima, a ex-mulher de Mizael Bispo, Nilza de Souza, disse que nunca sofreu agressão durante os oito anos em que esteve casada com o policial, mas admitiu ter procurado a polícia para dar queixa contra o réu. O motivo, segundo ela, foi por não aceitar o fim do relacionamento.

 

"Me senti magoada e fui reclamar", justificou. No interrogatório, a promotoria lembrou outro registro policial em que Nilza testemunhou para sua mãe, que dizia ter sido ameaçada de morte por Mizael. Pressionada pela acusação e defesa, a ex-mulher do réu parecia confusa.

 

Diante das contradições, a promotoria levantou a hipótese de falso testemunho e denunciação caluniosa. Ao final do depoimento, o promotor Rodrigo Merli Antunes entrou com representação para investigar a existência dos crimes citados.

 

Veja também:

linkFlanelinha diz ter visto Mizael em carro igual ao achado com corpo

linkIrmã de Mércia diz que Mizael era muito ciumento

linkIrmão de Mércia diz se arrepender por não ter sido 'mais duro'

linkDados de celular tiram Mizael da cena do crime, diz defesa

linkAdvogado da família acredita que Mizael e vigia vão a júri popular

 

Antes de Nilza depor, os representantes do Ministério Público questionaram a testemunha, alegando que ela era "suspeita de parcialidade". Por fim, foi acertado que a ex- mulher do Mizael falaria na qualidade de informante, "sem compromisso." Ao deixar o fórum, Nilza foi hostilizada por populares.

 

Doméstica. A primeira testemunha do dia, Maria Aparecida de Lima Araujo, era funcionária doméstica de Mizael Bispo desde 2006 e falou durante pouco menos de 10 minutos. Indagada pelo advogado de defesa Ivon Ribeiro, Maria Aparecida disse que trabalhava duas vezes por semana na casa do policial e uma vez a cada 15 dias no escritório de advocacia.

 

De acordo com a testemunha, ela conheceu Mércia na casa do policial e nunca presenciou nenhuma briga. Ainda segundo Aparecida, a vítima chegava a dormir na casa do acusado: "Às vezes, eu chegava de manhã para o serviço e ela já estava lá", contou. Sobre a separação entre Mizael e Nilza, a empregada doméstica afirmou que "não sabe de nenhuma ocorrência."

Tudo o que sabemos sobre:
caso Mércia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.