Divulgação/Prefeitura de Porto Feliz
Divulgação/Prefeitura de Porto Feliz

Ex-miss é presa por suspeita de tráfico de drogas em Porto Feliz

Estudante de Engenharia, de 21 anos, é namorada de Franklin Fermino da Costa, que seria o chefe do esquema na região; jovem alega inocência

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

08 Dezembro 2016 | 13h03

SOROCABA - Uma ex-miss de 21 anos foi presa nesta quarta-feira 7, acusada de participar de um esquema de tráfico de drogas, em Porto Feliz, interior de São Paulo. O namorado dela, Franklin Fermino da Costa, de 31 anos, que seria o chefe do esquema, também foi preso. A jovem, Giselli Cristina Aparecida Mesquita, venceu o concurso de Miss Porto Feliz 2013 e, no ano seguinte, participou com outras 29 concorrentes do concurso que escolheu a Miss São Paulo. Estudante de Engenharia numa faculdade particular de Sorocaba, Giselli se diz inocente.

Policiais da Delegacia de Investigações Gerais (Dise) de Sorocaba prenderam o casal num apartamento, em Itu. De acordo com o delegado Wilson Negrão, o companheiro de Giselli comandava um esquema de tráfico em Itu, Salto e Porto Feliz. No local, foram apreendidos dez quilos de pasta base de cocaína, crack e uma balança de precisão, além de R$ 18 mil em dinheiro. Outros dois suspeitos foram presos. Segundo o delegado, a conta da ex-miss era usada para camuflar o dinheiro da droga.

A investigação começou há quatro meses, com a prisão de duas pessoas suspeitas de tráfico e de associação com o Primeiro Comando da Capital (PCC). À polícia, Giselli alegou inocência e que não sabia da droga encontrada no apartamento. Segundo seu advogado, Matheus Henrique de Oliveira, o namorado dizia a ela que ganhava dinheiro como representante comercial.

De acordo com o delegado, escutas autorizadas pela Justiça mostram que o traficante passava a conta da namorada para o depósito de valores relativos aos fornecimentos. Numa das ocasiões, ela recebeu um depósito de R$ 50 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.