Reprodução
Reprodução

Ex-marido ficou 2h escondido no prédio de empresária morta no Paraíso

Hugo Alexandre Gabrich é o principal suspeito de matar Edna Amaralina da Silveira, de 28 anos, e teria sido flagrado por câmeras de segurança

O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2016 | 16h59

SÃO PAULO - Principal suspeito de matar a ex-mulher, Hugo Alexandre Gabrich ficou escondido por cerca de duas horas no prédio da vítima, a empresária Edna Amaralina da Silveira, de 28 anos, na mesma madrugada em que ela foi encontrada morta a tiros. Ele está foragido.

O assassinato também terminou com outro homem ferido dentro de um apartamento no Paraíso, na zona sul de São Paulo, no último sábado, 12. As informações são do site G1.

Imagens do circuito interno de segurança teriam flagrado Gabrich entrando no edifício, vestindo uma touca ninja e luvas na mão. Em seguida, ele subiu até o terceiro andar, onde ficou escondido. Segundo o site, ele aproveitou a chegada de um entregador de bebida, o rendeu e o obrigou a tocar a campainha de Edna.

A vítima havia se mudado para São Paulo recentemente. Ela chegou a entrar com medida protetiva na Justiça de Goiás contra o ex-companheiro, mas pediu que fosse revogada poucos dias antes do crime. Não há registros de queixas de Edna em delegacias da capital.

As câmeras também flagraram um homem entrando no estacionamento embaixo do prédio na noite de sexta-feira, 11, para tentar desligar o sistema de segurança. Para a polícia, o suspeito seria Gabrich. Ele era mensalista do estacionamento.

Edna foi encontrada caída no chão da sala, após ser alvejada por oito disparos de arma de fogo. Ela chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. Outro homem também foi baleado no apartamento. Aos policiais, ele teria dito que Gabrich era o autor dos disparos. O caso é investigado 1ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM).

O corpo da empresária foi velado no Cemitério Parque Memorial, em Goiânia (GO), na segunda, 14.

Tudo o que sabemos sobre:
SÃO PAULOJustiçaGoiásGoiânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.