Ex-marido confessa ter matado a agente penitenciária

Em depoimento, homem confirmou que desentendeu-se com ela após tentativa de reconciliação

Jair Aceituno , Especial para o Estado

10 de outubro de 2007 | 14h49

A polícia de Pirajuí prendeu na noite de terça-feira, 9, o agente penitenciário Wanderley Rodrigues da Silva, de 46 anos. Ele confessou ser o autor do disparo que levou à morte a agente Neiva Maria da Cruz da Silva, 41 anos, da Penitenciária 2, sua ex-mulher.  Diante de evidências quanto à autoria, ele confessou e disse que na sexta-feira foi à casa da vítima para tentar a reconciliação, mas esta o mandou embora. Como havia ingerido cerveja, descontrolou-se e disparou contra ela.  Wanderley, que está preso, disse à delegada Rosemeire Barbara que o revolver usado era de sua propriedade mas ficava na casa de Neiva e, após o crime, jogou a arma dentro de um rio. O que intriga os policiais é o fato de, depois de matar a mulher, o homem ainda ter comparecido a um churrasco e a atividade na igreja, inclusive junto ao filho que tem com a vítima.  Isso poderá desclassificar o crime passional e determiná-lo como premeditado, levando ao agravamento da pena. Segundo a delegada, ainda há muito o que investigar no caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.