Ex-estagiária acusada de matar colega é condenada a 30 anos

Carolina foi considera culpada em um homicídio qualificado consumado e duas tentativas. Ela os teria cometido para voltar a trabalhar na Petrocoque onde havia estagiado e ficar próxima do seu ex-amante

Rejane Lima, do Estadão,

29 de agosto de 2007 | 03h02

A ex-estagiária de Administração de Empresas Carolina de Paula Farias, de 24 anos, foi condenada na madrugada desta quarta-feira, 29, a 30 anos e 4 meses de reclusão por três crimes ocorridos em 2005: um homicídio qualificado consumado e duas tentativas de homicídios qualificados. A decisão do júri popular foi de 7 votos a favor e 2 contra. O julgamento, que aconteceu no Fórum de Santos, na Baixada Santista, teve início às 10 horas de terça-feira e terminou às 2h10 da madrugada de quarta-feira. Uma das vítimas é Mônica Tamer Cruz de Almeida, de 42 anos, que trabalhava com Carolina e foi executada a tiros em um ponto de ônibus em Santos em dezembro de 2005. As outras vítimas são a também funcionária da Petrocoque, Renata Boreli, de 25 anos, e a mulher do ex-chefe de Carolina, Maria Aparecida de Campos, com o qual ela admite ter tido um relacionamento amoroso. Os jurados consideraram que os três crimes foram por motivo torpe e isso agravou as penas. A jovem os teria cometido porque pretendia voltar para a empresa onde havia estagiado e ficar mais próxima do seu ex-amante.  O promotor de Justiça Octávio Borba de Vasconcelos disse que embora Carolina tenha tentado negar a sua participação no crime durante o julgamento, as provas eram bastante coesas. "A acusada Carolina confessou uma vez junto com a sua cunhada e repetiu a confissão de um dos delitos junto com o seu advogado constituído", explicou Borba, que considerou que os jurados foram "sensíveis e acreditaram na provas". No entanto, o advogado de Carolina, Alex Ochsindof, disse que ficou surpreso e revoltado com o resultado e que irá recorrer. "O promotor não refutou que houve torturas em sede policial (para que Carolina confessasse os crimes) e mais surpreso ainda por cinco dos jurados terem legalizado essa tortura". O advogado disse que no recurso não pedirá que a pena seja diminuída e sim que a ex-estagiária seja absolvida. Já Oswaldo Rodrigues de Almeida, marido de Mônica, disse que ficou satisfeito com o resultado do julgamento e que agora só pensa em seus filhos, uma menina de 6 anos e um menino de dois. "Saiu aquela angústia", desabafou. Além, de Carolina, outras quatro pessoas são acusadas de participações nos crimes. Eles deverão ser julgados nos próximos meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.