Ex-delegado da PF pagará R$ 500 mil por desviar R$ 500

Multa cobrada pela Justiça pune uso de nota fria para justificar gasto em posto de gasolina no interior; acusado nega

ARTUR RODRIGUES, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2012 | 03h04

O ex-delegado da Polícia Federal (PF) Washington da Cunha Menezes, acusado de desviar R$ 500, terá de pagar uma multa de aproximadamente R$ 500 mil. O Ministério Público Federal (MPF) afirma que ele exigiu o dinheiro do dono de um posto em Marília, no interior paulista, e que o estabelecimento emitisse notas fiscais falsas nesse valor para justificar o gasto na PF.

O policial, que já foi preso por outros crimes, não pode mais recorrer da sentença, segundo o MPF. A Justiça Federal ordenou a execução da pena e o policial terá 15 dias para depositar o dinheiro assim que for notificado. Menezes perdeu os direitos políticos por oito anos.

O desvio foi descoberto em 2007, segundo o procurador Célio Vieira da Silva, de Marília. Ele afirmou que a multa foi calculada levando em conta a gravidade do crime, e não o valor desviado. "No Brasil, virou moda dizer que roubar R$ 500 é insignificante. O cara que rouba R$ 500 daqui a pouco rouba R$ 500 mil, R$ 500 milhões."

O delegado também é acusado de formação de quadrilha, peculato, falsidade ideológica e corrupção. Menezes acumula cinco processos criminais e três civis.

Em fevereiro de 2008, ele foi condenado a quatro anos e oito meses de prisão por concussão (usar o cargo para obter vantagens). O ex-delegado cumpre condicional.

Menezes nega os crimes e afirma estar sendo perseguido. "Não fui condenado em caso nenhum. O procurador tem raiva de mim. Fui absolvido em quatro processos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.