Ex-delegado da PF é preso em rinha de galos no interior de SP

Policiais Militar e Ambiental prendem 54 pessoas e apreendem 101 galos de briga em chácara de Mococa

Brás Henrique, do Estadão,

18 de agosto de 2007 | 20h13

As Polícias Militar e Ambiental de Mococa, na região de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, prenderam 54 pessoas que estavam em uma chácara onde funcionava uma rinha de galos, na tarde desta sábado, 18. Além disso, foram apreendidos 101 galos de briga no local. Entre os detidos está o ex-delegado da Polícia Federal, José Bocamino, que foi o titular em Ribeirão Preto e ficou preso entre julho de 2004 e fevereiro de 2007, acusado de vários crimes. As detenções na rinha ocorreram após uma denúncia anônima pela manhã. Empresários de Mococa também foram detidos na chácara e encaminhados à Polícia Civil. A chácara pertence a Francisco Rossetti, ex-vereador de Arceburgo, em Minas Gerais, segundo a PM.  Os detidos foram levados de ônibus para o flagrante na delegacia de Mococa. Cerca de dez policiais participaram da operação. Bocamino voltou a ser detido aos sair da prisão em fevereiro deste ano, após a revogação de sua prisão preventiva pela Justiça Federal de São Paulo. Em 23 de junho de 2004, Bocamino foi detido durante a Operação Lince, junto com outro delegado da PF, Wilson Alfredo Perpétuo, suspeito de formação de quadrilha, porte ilegal de arma, lavagem de dinheiro e corrupção passiva, devido à investigação de um esquema de roubo de carga e adulteração de combustíveis. Alguns dos processos correm em segredo de Justiça na 4ª Vara Federal, em Ribeirão Preto. Bocamino e Perpétuo também foram investigados pela Operação Anaconda, que apurava a extração ilegal de diamantes em reserva indígena, em Rondônia. Além de Bocamino e Perpétuo, durante a Operação Lince foram detidos agentes da PF, um advogado e acusados de roubo de cargas. Outros policiais federais foram detidos alguns dias depois no Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
rinha de galo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.