Reprodução/Globo
Reprodução/Globo

Ex de Luiza Brunet será julgado em novembro em SP

Justiça de São Paulo marcou para o dia 29 de novembro 0 julgamento do réu Lírio Parisotto, de 62 anos, acusado de agredir a atriz e modelo

O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2016 | 15h03

SÃO PAULO - A Justiça de São Paulo (TJ-SP) marcou para o dia 29 de novembro o julgamento do empresário Lírio Parisotto, de 62 anos, acusado de agredir sua ex-mulher a atriz e modelo Luiza Brunet, de 54. A audiência de instrução ocorrerá às 13h30, no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste da cidade.

No dia, a juíza Elaine Cristina Monteiro Cavalcante, da Vara do Foro Central da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, deve ouvir as partes, colher depoimentos de testemunhas de acusação e de defesa, reunir provas e decidir se absolve ou condena Parisotto. 

O executivo vai responder pelos crimes de lesão corporal grave por ter supostamente quebrado um dedo dela em dezembro de 2015, no Brasil, e lesão corporal leve, por ter quebrado quatro costelas da ex-modelo durante uma viagem do casal aos EUA, em maio deste ano.

A denúncia do promotor Carlos Bruno Gaya da Costa, do Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid), foi feita a partir de denúncia da própria Luiza Brunet.

As investigações da promotoria também ouviram a versão do executivo, que alegou ter sido agredido "muitas vezes" pela namorada. Ao Estado, o advogado Celso Vilardi disse, em julho, que lamentava que "o processo tenha sido iniciado com base numa versão que já se comprovou inverídica". "De toda forma, no curso do processo Lírio Parisotto comprovará sua inocência." 

Os crimes de lesão corporal de natureza leve no contexto da violência doméstica podem ter penas de três meses a três anos de detenção; se a lesão for de natureza grave, as penas podem ser 1 ano a 5 anos de reclusão. A classificação das lesões sofridas pela atriz foi feita pelos laudos técnicos do Instituto Médico Legal (IML).

Mais conteúdo sobre:
Luiza BrunetViolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.